Ueslei Marcelino|Reuters
  Ueslei Marcelino|Reuters

  Ueslei Marcelino|Reuters

Brasil iguala número de medalhas alcançado em 2016 e pode bater novo recorde nos Jogos de Tóquio

Assim como nos Jogos de 2016, no Rio de Janeiro, País tem 19 pódios garantidos até o momento

Sarah Américo, especial para o Estadão , O Estado de S.Paulo

Atualizado

  Ueslei Marcelino|Reuters

Depois de muita incerteza sobre a realização da Olimpíada de Tóquio, e com rumores de que pudesse ser cancelada mesmo após o início em razão da pandemia de covid-19, a competição está em sua reta final. Com o encerramento programado para este domingo, algumas disputas interessantes estão acontecendo e há chance brasileiros subirem ao pódio. 

Até a 32ª edição dos Jogos Olímpicos, o maior número de medalhas conquistado pelo Time Brasil havia sido 19. Esse feito aconteceu exatamente na edição passada, em 2016, quando o País foi sede da Olimpíada. Porém, esse número pode mudar. Após a medalha de prata de Pedro Barros no skate, o Brasil igualou a quantidade alcançada no Rio e tem chances de bater um novo e histórico recorde. Ao todo, há três garantidas para os próximos dias e seis prováveis.

Futebol e Boxe

O futebol masculino já garantiu sua medalha em Tóquio. Após vencer o México na semifinal da competição, o time se classificou para a final e enfrenta a Espanha neste sábado. A cor ainda não está definida, tudo vai depender do resultado do jogo, mas a equipe está em busca do ouro e do bicampeonato. O mesmo acontece no boxe. Bia Ferreira e Hebert Conceição já têm a prata garantida. Ambos estão nas finais e querem ficar com a primeira colocação. 

Vôlei 

Existem outros jogos em que os brasileiros podem ficar de olho, porque as chances de conseguir medalha são boas. O masculino, que era cotado como um dos favoritos para conquistar o título, foi superado por 3 a 1 pelo Comitê Olímpico Russo na semifinal e agora vai disputar o bronze.

Já o feminino vem embalado de bons resultados. A equipe é a única invicta até agora na competição e disputa uma vaga na final com a Coreia do Sul. Pela fase de grupos, a seleção brasileira venceu por 3 a 0. O jogo será nesta sexta-feira, 6, às 9 horas (horário de Brasília).

Atletismo 

O Brasil já conquistou duas medalhas em Tóquio com o atletismo. Uma com o Alison dos Santos e outra com o Thiago Braz, ambas de bronze. Na competição, ainda é possível conquistar mais uma.

Na marcha atlética, também há um favorito. Caio Bonfim é uma esperança na competição. Ele ficou em quarto lugar na edição anterior dos Jogos, mas vem inspirado por boas conquistas para conseguir um resultado melhor. Vem de vitória no Sul-Americano de 2020 e foi bronze no Mundial de Londres-2017.

Canoagem 

Apesar de não ter conseguido ficar entre os três primeiros na primeira disputa da canoagem C2, Isaquias Queiroz é um forte nome para trazer uma medalha para o Brasil. Na competição individual, C1 1000 metros, ele é um dos favoritos e já garantiu a prata nos Jogos Olímpicos do Rio. A disputa será na quinta-feira, a partir das 21h50.

Existem outras modalidades que o Brasil ainda está disputando. E, apesar de não virem como favoritos, eles podem surpreender e serem os responsáveis por rechear ainda mais o quadro de medalhas brasileiro. Se conquistar mais uma, seja de bronze, ouro ou prata, o país vai chegar a um recorde histórico e bater o último feito alcançado na Rio-2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.