Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Brasil pretende alugar sistemas de defesa para Jogos Olímpicos do Rio

País pretende alugar os mecanismos da Rússia para 2016

EFE

15 de abril de 2015 | 13h43

O Brasil pretende alugar da Rússia sistemas de defesa antiaéreos para os Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, pois o processo de compra do mecanismo atrasou, afirmou nesta quarta-feira o ministro de Defesa, Jaques Wagner.

As negociações para a compra de três baterias Pantsir-S1 e duas do tipo Igla se iniciaram em 2012 e foram ratificadas em 2014, durante uma visita da presidente Dilma Rousseff a Moscou.

O ministro afirmou em uma coletiva de imprensa, durante a feira de defesa LAAD, que está sendo realizada no Rio de Janeiro, que o projeto de compra "se mantém" mas admitiu que o processo atrasou, por isso se tornou inviável que as baterias possam ser adquiridas antes dos Jogos Olímpicos.

Wagner disse que o Brasil deve analisar as "questões orçamentárias" relacionadas à compra das baterias antiaéreas, em um negócio calculado em US$ 1 bilhão. O ministro ressaltou que o governo ainda tem interesse na compra destes sistemas para uso além dos Jogos Olímpicos, e opinou que o Brasil deve "se apressar" porque "a data limite foi ultrapassada".

Em relação aos Jogos Olímpicos, o Brasil pretende negociar com a Rússia um acordo "semelhante" ao alcançado com a Suécia para alugar dez caças Gripen, enquanto está sendo fabricado o lote de 36 aviões de combate que o país comprou da Saad. A LAAD é a maior feira de defesa e segurança da América Latina e reúne delegações oficiais e cerca de 650 expositores de 71 países. O evento começou na terça-feira e se estenderá até sexta-feira. 

Tudo o que sabemos sobre:
Rio 2016OlimpíadaJogos Olímpicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.