Brasil quer subir de degrau no pódio do futebol feminino

Em Atenas, brasileiras perderam na final para os EUA; em Pequim, o ouro parece ainda mais próximo

Robson Morelli, enviado especial - Jornal da Tarde

20 de agosto de 2008 | 15h23

Vincent Yu/AP Time de Cristiane e Marta vai tentar superar a campanha de Atenas-2004 e ganhar o ouro    PEQUIM — Nenhuma das jogadoras da seleção brasileira feminina de futebol vai se contentar com outro segundo lugar na Olimpíada, repetindo Atenas-2004. O que pode parecer ótimo para as outras equipes não é para a brasileira, que nesta quinta-feira decidirá o título contra os Estados Unidos, às 10 horas (Brasília) — o confronto terá acompanhamento online do estadao.com.br.     "Ninguém aqui pensa na prata. O segundo lugar não existe para nós. Nosso objetivo desde o início é conseguir o ouro. Essa é a medalha que todos estão esperando, nós aqui em Pequim e o pessoal lá no Brasil", disse a atacante Marta.   Cristiane, a maior artilheira olímpica ao lado da alemã Prinz, com 10 gols (cinco em Atenas e cinco em Pequim até agora), ratifica a opinião do grupo. "Qualquer conquista diferente disso (o ouro) não será o que planejamos", disse.   Após a vitória por 4 a 1 sobre a Alemanha em Xangai, as meninas repetiram a façanha de quatro anos atrás na Grécia, quando foram à final. Naquela decisão, perderam para os Estados Unidos por 2 a 1.   O time não parece incomodado com isso, principalmente depois de derrubar a Alemanha, para quem perdeu a final da Copa do Mundo do ano passado, na China.   A delegação deixou Xangai na manhã de quarta-feira para juntar-se aos atletas do Brasil na Vila Olímpica. Elas chamaram a atenção no Aeroporto Hong Qiao, um dos dois da cidade. Marta andou o tempo todo com um boné enterrado na cabeça. A delegação viajou no mesmo avião que as alemãs, rivais da partida da semifinal. Na disposição dos assentos, o Brasil veio na frente e o time da Alemanha, logo atrás. Elas não conversaram.   O técnico Jorge Barcellos deve receber convite para trabalhar na China. Se ganhar o ouro olímpico, essa possibilidade pode ser antecipada para o fim do ano. A passos lentos, os chineses estão tentando "recriar" o esporte no país.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.