Philippe Lopez/AFP
Philippe Lopez/AFP

Brasileiras do vôlei exaltam tática após 'anularem' sul-coreana em vitória

Seleção tem êxito na missão de parar a rival Kim Yeon-Koung

Estadão Conteúdo

13 Agosto 2016 | 09h35

A seleção brasileira feminina de vôlei entrou em quadra diante da Coreia do Sul, na última sexta-feira, sabendo que teria que parar Kim Yeon-Koung. Considerada uma das principais atacantes da modalidade na atualidade, a jogadora é o foco ofensivo das asiáticas, mas foi bem anulada pelo Brasil, que, assim, teve mais facilidade para vencer por 3 sets a 0 (25/17, 25/13 e 27/25) pela Olimpíada do Rio.

"Como ela é muito forte de ataque, temos que arranjar uma maneira de segurá-la. Optamos por sacar em cima dela e conseguimos tirá-la do jogo. Foi muito importante obedecer essa tática que o Zé Roberto determinou", declarou Natália. "A Kim tem que ter todo o respeito, é uma das melhores jogadoras do mundo, muito completa, mas hoje não estava em um dia muito feliz. Bom para a seleção brasileira. Assim ela não complicou a nossa vida no jogo de hoje (sexta-feira)."

Com o resultado, o Brasil somou sua quarta vitória em quatro partidas e já está garantido nas quartas de final dos Jogos. Na busca pelo terceiro título olímpico consecutivo, as comandadas de José Roberto Guimarães celebraram o bom momento e exaltaram o clima da equipe dentro de quadra.

"Nosso espírito dentro de quadra está gostoso, não estamos desistindo de nenhuma bola, estamos recuperando bolas consideradas impossíveis e jogar com essa energia da torcida está sendo muito bom. Até agora, tudo que foi proposto, foi feito, e sabemos que a partir de agora tudo fica mais difícil. A partir da Rússia, o nível muda um pouco", disse Sheilla, já pensando na última partida da primeira fase, no domingo.

PARTICIPE

Quer saber tudo dos Jogos Olímpicos do Rio? Mande um WhatsApp para o número (11) 99371-2832 e passe a receber as principais notícias e informações sobre o maior evento esportivo do mundo através do aplicativo. Faça parte do time "Estadão Rio 2016" e convide seus amigos para participar também!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.