Reprodução
Reprodução

Com salários atrasados, brasileiros boicotam evento-teste no Rio

Isaquias e outros atletas cobram Confederação de Canoagem

O Estado de S. Paulo

04 de setembro de 2015 | 10h14

O evento-teste da canoagem velocidade para os Jogos Olimpícos do Rio começou nesta sexta-feira com um protesto dos principais atletas brasileiros. Isaquias Queiroz, Erlon de Souza, Nivalter Santos e Ronilson de Oliveira resolveram não competir na Lagoa Rodrigo de Freitas. Campeão mundial, Isaquias foi o porta-voz dos companheiros e explicou que não recebem salários da Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) há oito meses.

A verba da entidade é obtida via BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento), mas, segundo Isaquias, campeão mundial no C2 1000m ao lado de Erlon de Souza, há menos de duas semanas, em Milão, não está sendo repassada aos atletas. " Estamos há oito meses sem receber da nossa confederação. Mas a gente não deixou de treinar. Vocês viram o nosso resultado. O nosso resultados está acontecendo, nós não deixamos de competir no Mundial", afirmou o principal atleta brasileira da modalidade ao canal SporTV

O presidente da CBCa, João Tomasini Schwertner, convocou uma coletiva assim que soube das declarações do atleta e rebateu Isaquias. Segundo ele, apesar de o repasse do BNDES estar atrasado por causa de um problema com o projeto em Lagoa Santa, local de treinos em Minas Gerais, eles não ficaram sem receber.

"Eles não foram desassistidos em momento algum. Quando tivemos o problema do atraso na documentação, conversamos com o COB que fez esse pagamento nesses oito meses. O projeto foi liberado no dia 20 de agosto e a partir de setembro a CBCa vai repassar a eles o valor do patrocínio. Cada um recebia R$ 11 mil por mês por decisão do COB. Agora, pelo espelho do bolsa pódio, Isaquias e Erlon ficarão com R$ 15 mil por mês, Ronílson, R$ 11 mil e Nivalter, R$ 8 mil", afirmou Tomasini ao globoesporte.com.

O grupo reclamou também das más condições de instalação no Rio de Janeiro. Os atletas estão nos alojamentos da Escola de Educação Física do Exército, na Urca, e são acordados todos os dias às 5h pelo apito de despertar do local. "Queria saber em qual hotel o presidente está dormindo?", disparou Isaquias. Tomasini respondeu que está hospedado em uma casa que alugou no Rio de Janeiro para passar o feriado de 7 de setembro com familares. 

O evento-teste termina no domingo na Lagoa Rodrigo de Freitas e serve para testar alguns pontos para os Jogos Olímpicos de 2016. Serão testados, por exemplo, o sistema de GPS para divulgação dos resultados em um telão, cronometragem, instalações (mesmo sem um arquibancada flutuante prevista para a competição do ano quem vem), controle antidoping e organização. A qualidade da água, que gerou questionamentos por ocasião do evento-teste de Remo, volta aos holofotes.  


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.