Luisa Gonzalez/Reuters
Luisa Gonzalez/Reuters

Brasileiros lamentam queda, mas exaltam melhor campanha olímpica do tênis de mesa

Equipe brasileira foi superada pela Coreia do Sul nas quartas de final do torneio

Redação, Estadão Conteúdo

02 de agosto de 2021 | 12h12

O Brasil ficou entre os oito melhores do torneio masculino de equipes de tênis de mesa dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020. Nesta segunda-feira, no Ginásio Metropolitano de Tóquio, o time brasileiro foi superado pela Coreia do Sul, nas quartas de final da competição, por 3 a 0. Uma eliminação que acabou com a esperança da primeira medalha olímpica, mas que marcou um resultado histórico para a modalidade no país.

Esta foi a primeira vez que o Brasil chegou tão longe. Em 2008, o time ficou em 13.°. Nas duas Olimpíadas seguintes, fechou em nono lugar. Os Jogos de Tóquio-2020 marcaram também o melhor desempenho individual dos mesa-tenistas do Brasil, com Hugo Calderano caindo nas quartas de final e Gustavo Tsuboi nas oitavas.

"Com certeza, é difícil terminar com essa derrota. A gente veio com a vontade de conquistar uma medalha inédita para o Brasil. Mas temos de sair com a cabeça erguida, pois é um resultado histórico. Cumprimos essa missão de fazer algo especial. Para a gente, é uma conquista muito grande, a gente tem que sair muito orgulhoso. Já era dúvida se eu ia conseguir jogar o torneio individual, por causa do ombro. Depois foi o oblíquo direito e agora o bíceps esquerdo. É uma competição muito intensa, fiz o meu melhor", declarou Gustavo Tsuboi, após o confronto.

Melhor mesa-tenista do Brasil, em sétimo lugar no ranking mundial, Hugo Calderano lamentou a derrota. "A Coreia do Sul é uma equipe muito forte, eles colocam muita pressão com a dupla, pois tem a melhor dupla do mundo", afirmou.

"Da minha parte, não consegui colocar a mesma intensidade. É uma competição muito longa e cansativa, isso vai te esvaziando, meu jogo é muito exigente fisicamente e mentalmente. Não consegui achar aquele extra para ganhar dos melhores do mundo. Alcançamos duas quartas de final e uma oitavas de final, coisa que nunca tinha acontecido antes. Só mostra a nossa evolução nos últimos anos", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.