Divulgação
Divulgação

Brasileiros vão mal no 1º dia da ginástica masculina no Mundial

Equipe aguarda resultados para ficar com vaga nas Olimpíadas

Estadão Conteúdo

25 de outubro de 2015 | 12h37

Os brasileiros começaram mal no Mundial de ginástica, disputado em Glasgow, na Escócia. Neste domingo, no primeiro dia de disputas do masculino, a equipe nacional sofreu quedas em quatro dos seis aparelhos e teve dificuldades com o rigor mais forte dos juízes na competição que vale vaga nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

A equipe obteve 349,057 pontos: 57,849 no solo, 56,965 no cavalo com alças, 58,165 nas argolas, 59,448 no salto, 58,165 nas barras paralelas e 58,465 na barra fixa. O resultado foi melhor do que no ano passado, quando obteve 348,100. No entanto, ficou abaixo do que esperava a comissão técnica, entre 350 e 351 pontos.

O time brasileiro quer ficar entre os oito melhores em Glasgow para assegurar a classificação olímpica. Para tanto, terá que esperar pela apresentação das demais equipes, nos próximos dias, para conhecer sua colocação geral. Se ficar de fora, terá mais uma chance de obter a vaga no Rio-2016 em competição marcada para abril. Mas, para ter esta nova oportunidade, precisará ficar entre o 9º e o 16º lugar no Mundial.

Apesar das quedas e do maior rigor dos juízes, Arthur Zanetti fez boa avaliação da apresentação brasileira. "A equipe, no geral, foi bem. Acho que cada um fez a sua parte. Todo mundo entrou bem focado, bem unido, como uma equipe bem forte", disse o especialista nas argolas, que se apresentou também no solo e no salto.

"Gostei bastante do meu salto (14.816). Não foi uma das melhores provas a que eu fiz nas argolas (15.433) e não gostei da minha nota, um pouco baixa, mas eu sei que tem o critério dos árbitros que estão descontando mais. Isso é normal. E só no solo que eu não gostei. Caí na segunda diagonal", lamentou o ginasta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.