Patrick B. Kraemer| EFE
Patrick B. Kraemer| EFE

Britânico bate novamente o recorde mundial dos 100 m peito e brasileiros ficam sem medalha

João Gomes Junior é quinto e Felipe França, sétimo

Marcio Dolzan, Rio, e Paulo Favero, enviado especial ao Rio, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2016 | 23h21

Os nadadores estão fazendo a festa na piscina do Parque Aquático. Neste domingo, mais recordes foram quebrados. Adam Peaty, na prova dos 100 m peito, diminuiu ainda mais sua marca de 57s55 e cravou 57s13. Na mesma prova, João Gomes Junior ficou em quinto e Felipe França em sétimo. 

Quem também vibrou muito nos Jogos do Rio foi a sueca Sarah Sjostrom, que foi campeã olímpica e ainda bateu o recorde mundial nos 100 m borboleta com a marca de 55s48 - a anterior era 55s64. Ela fez uma prova impecável, sem dar chance para suas adversárias.

Nos 200 m livre, o chinês Sun Yang foi para a final com o melhor tempo, mas sabe que na decisão terá trabalho diante de fortes competidores, como o japonês Kosuke Hagino, o norte-americano Conor Dwyer, o alemão Paul Biedermann e o sul-africano Chad Le Clos.

Já nos 100 m peito, a norte-americana Lilly King avançou com o melhor tempo, seguida pela russa Yulia Efimova, que só teve sua participação nos Jogos do Rio confirmada na última quinta-feira, após autorização do Comitê Olímpico Internacional (COI). Ela tinha sido proibida de competir no Rio devido a uma suspensão de 16 meses, por consumo de anabolizantes.

A pena já foi cumprida, mas a Federação Internacional de Natação (Fina) havia vetado sua participação nos Jogos devido ao escândalo de doping que envolveu a Rússia. Outro destaque da prova foi a jamaicana Alia Atkinson, que foi para a final com o quinto melhor tempo, mostrando que na terra dos velocistas de pista também existem ótimos nadadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.