Ciete Silvério
Ciete Silvério

Bronze no Rio, Poliana cobra investimento de Alckmin para novo ciclo olímpico

Nadadora pediu que governador não acabe com incentivo ao esporte no Estado

Raphael Ramos, Estadão Conteúdo

25 Agosto 2016 | 13h18

Medalha de bronze na maratona aquática nos Jogos do Rio, Poliana Okimoto aproveitou evento no Palácio dos Bandeirantes nesta quinta-feira para cobrar do governador Geraldo Alckmin continuidade nos investimentos no esporte para o ciclo olímpico até Tóquio-2020. A nadadora discursou como representante dos atletas das modalidades individuais e pediu que o governador não acabe com os programas de incentivo ao esporte no Estado.

"Três, quatro anos, é muito pouco para construir um atleta. Eu espero, de verdade, que continue com o incentivo porque a gente tem muito a melhorar ainda", disse Poliana durante a entrega da Medalha do Mérito Esportivo aos atletas paulistas que participaram dos Jogos Olímpicos.

No Rio, o Brasil não alcançou a meta do COB de conquistar 27 medalhas e ficar entre os dez primeiros colocados da Olimpíada. Segundo Poliana, o problema foi o investimento tardio no esporte. "Houve uma melhora significativa, com várias medalhas em esportes sem tanta tradição e muitas finais, mas esse é apenas um primeiro passo. No esporte, você não consegue resultado de uma hora para outra, precisa de tempo para construir um atleta", reclamou.

Poliana conquistou no Rio a primeira medalha de uma mulher brasileira na natação. Ela terminou a maratona aquática na quarta colocação, mas ficou com o bronze após a desclassificação da segunda colocada, a francesa Aurélie Muller.

Após ouvir as críticas da nadadora, Geraldo Alckmin prometeu manter e aperfeiçoar os programas de incentivo ao esporte durante o próximo olímpico. "Vamos continuar com os centro de formação e excelência, o Bolsa Talento, apoiando as entidades para desenvolver o esporte social com crianças e jovens e também os Jogos Escolares para estimular a prática esportiva e revelar talentos", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.