Miriam Jeske / CPB
Miriam Jeske / CPB

Bruna Alexandre garante final no tênis de mesa da Paralimpíada; Cátia de Oliveira fica com bronze

Ambas melhoram resultados em relação à Rio-2016; decisão do ouro será na manhã de segunda-feira

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2021 | 06h21

O Brasil garantiu duas medalhas no tênis de mesa na Paralimpíada de Tóquio: Bruna Alexandre (classe 10) venceu a chinesa Shiau Wen Tien, por 3 a 1 (12/14, 11/6, 12/10 e 11/7) na semifinal e irá disputar o ouro. Cátia de Oliveira (classes 1-2), por sua vez, perdeu na semifinal, mas como a modalidade não tem disputa de terceiro lugar, ficou com uma medalha de bronze.

No tênis de mesa dos Jogos Paralimpícos, as classificações vão de acordo com as limitações motoras dos atletas, sendo que as classes de 1 a 5 são para cadeirantes e as de 6 a 10 para andantes. Quanto maior a limitação, menor a classe em que o atleta joga.

Bruna Alexandre faz grande campanha na Paralimpíada, após ser bronze na Rio-2016. Na primeira fase, derrotou a australiana Melissa Tapper e a taiwanesa Tzu Yu Lin por 3 sets a 0. Agora, na semi, após um primeiro set complicado, conseguiu reagir se classificar. A final será na segunda-feira, às 6h45 (de Brasília), contra a australiana de origem chinesa Qian Yang, que eliminou a polonesa Natalia Partyka, tetracampeã paralímpica.

"Estou sem palavras! Muito emocionada pela grande vitória de hoje. Era um jogo muito difícil para mim. Consegui sair dos momentos muito difíceis, onde achei que não conseguiria me adaptar a esse estilo de jogo tão rápido. Eu pensava: 'Consegui fazer esse trabalho durante quatro anos, eu tenho que confiar nesse trabalho. Eu vou lutar, mesmo perdendo'. Foi o que eu fiz e consegui virar o jogo", disse Bruna após a classificação.

Cátia de Oliveira, por sua vez, abriu bem a partida contra a sul-coreana Su Yeon Seo, mas viu a adversária aumentar o ritmo e acabou sendo derrotada por 3 a 1 (11/7, 8/11, 5/11 e 9/11). Foi a primeira medalha de Cátia em Paralimpíadas.

"Estou muito feliz. Lógico que eu queria ter ido para a final e tentado brigar pelo ouro. Tive um desempenho muito bom e perdi em detalhes que fizeram total diferença. Mas em nenhum momento parei de brigar, em momento nenhum abaixei a cabeça. No Rio, não passei da fase de grupos, hoje saio com uma medalha de bronze. E ainda tem mais, já que teremos a disputa por equipes", disse a medalhista paralímpica em Tóquio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.