Kai Pfaffenbach/Reuters
Kai Pfaffenbach/Reuters

Campeã olímpica no Rio-2016, atleta do levantamento de peso é pega no doping

Tailandesa de 24 anos testou positivo para esteroides e testosterona artificial

Redação, Estadão Conteúdo

23 de janeiro de 2019 | 12h25

Campeã olímpica nos Jogos do Rio-2016, Sopita Tanasan é uma das quatro atletas da Tailândia, do levantamento de peso, que foram flagradas em testes antidoping, segundo informou nesta quarta-feira a federação internacional da modalidade.

Tanasan, de 24 anos, faturou a medalha de ouro na categoria até 48kg, no Rio de Janeiro. Mas os exames realizados no Mundial disputado em novembro do ano passado detectaram a presença de esteroides e testosterona artificial nas amostras da atleta. Ela também foi campeã mundial, em 2017.

Tanasan não se destacou no Mundial de 2018, disputado em Ashgabat, no Turcomenistão. Mas Thunya Sukcharoen e Sukanya Srisurat conquistaram ouro no evento, nas categorias até 45kg e até 55kg, respectivamente.

Elas foram flagradas com as mesmas substâncias de Tanasan. No caso de Srisurat, por ser reincidente em casos de doping, a punição por chegar a uma suspensão de oito anos. Já Chitchanok Pulsabsakul, também flagrada no doping, não chegou ao pódio no Mundial do ano passado e ficou em sexto lugar.

De acordo com a Federação Internacional de Levantamento de Peso, os testes iniciais com as quatro atletas da Tailândia deram negativo. Mas novos exames, com "as técnicas mais sofisticadas disponíveis", flagraram o resultado positivo em análise realizada num laboratório alemão.

O empenho da entidade em fiscalizar os atletas se justifica pela pressão internacional sobre a modalidade. Nos últimos anos, foram diversos casos de doping em diferentes competições, principalmente em Mundiais e Jogos Olímpicos. Em Londres-2012, num dos episódios mais chamativos, seis dos sete primeiros colocados num dos eventos de levantamento de peso foram desclassificados por conta de doping.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.