Marcio Rodrigues/MPIX/CBJ
Marcio Rodrigues/MPIX/CBJ

Campeã olímpica, Sarah Menezes é a nova treinadora da seleção feminina de judô

Medalha de ouro foi confirmada na função nesta segunda-feira para o ciclo até Paris-2024

Redação, Estadão Conteúdo

13 de dezembro de 2021 | 21h08

Campeã olímpica nos Jogos de Londres-2012, Sarah Menezes é a nova treinadora da seleção brasileira feminina de judô. A ex-atleta de 31 anos havia anunciado sua aposentadoria da seleção como judoca em dezembro do ano passado. Agora vai assumir pela primeira vez um cargo na comissão técnica do time nacional.

Sarah, primeira campeã olímpica do judô feminino brasileiro, foi atleta da seleção por 15 anos. Ela tem três Olimpíadas no currículo. Esteve em Pequim-2008, em Londres-2012, onde conquistou a medalha de ouro, e no Rio-2016, quando terminou na sétima posição em sua categoria. Após deixar a seleção, no fim do ano passado, ela se tornou mãe em maio deste ano.

Ela será apresentada oficialmente em sua nova função nesta terça, durante a abertura da Seletiva Nacional, em Pindamonhangaba, São Paulo. No evento, a Confederação Brasileira de Judô (CBJ) vai apresentar os demais integrantes de suas comissões técnicas para o ciclo da Olimpíada de Paris-2024.

Sarah vai atuar na seleção feminina na companhia de Andréa Berti, que deixa a seleção júnior para assumir o cargo de coordenadora técnica da equipe principal feminina. Na base, Berti trabalhou com a nova geração de judocas que integram a seleção principal atualmente, como Larissa Pimenta e Beatriz Souza.

O time masculino será comandado a partir de agora por Kiko Pereira, um dos mais vitoriosos do judô nacional. Ele ajudou a formar Daniel Cargnin, bronze na Olimpíada de Tóquio, Mayra Aguiar e o bicampeão mundial João Derly. A japonesa Yuko Fujii, que entrou para história como a primeira mulher treinadora de uma seleção masculina de judô do Brasil, assumirá o posto de coordenadora técnica da equipe masculina para Paris-2024.

"Os técnicos Luiz Shinohara, Rosicleia Campos e Mario Tsutsui, despedem-se da seleção após conquistarem 14 medalhas olímpicas e 48 medalhas em Mundiais no período mais vitorioso da história do judô brasileiro. Eles serão homenageados pela CBJ, em reconhecimento a toda contribuição ao judô brasileiro e em respeito à história escrita nos tatames por esses grandes treinadores", anunciou a CBJ, em comunicado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.