Olivier Morin/ AFP
Olivier Morin/ AFP

Campeão olímpico, Italo Ferreira dedica conquista à avó: 'Está orgulhosa de mim'

Emocionado, surfista brasileiro relembra importância da avó em sua vida

Paulo Favero, enviado especial a Tóquio, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2021 | 06h36

Primeiro medalhista de ouro do Brasil nos Jogos de Tóquio, Italo Ferreira estava radiante com o feito na praia de Tsurigasaki, no litoral do Japão. Ele ganhou de Kanoa Igarashi na final, subiu ao lugar mais alto do pódio e homenageou sua avó, que morreu em 2019. "Queria que ela estivesse aqui para me ver campeão olímpico", disse.

Ele confessa que tinha uma relação muito próxima com sua avó Mariquinha. "Ela era uma figura, a gente sempre brincava. Quando fui campeão mundial levei o troféu no quarto dela e agora vou levar essa medalha de novo lá. É um ritual. Lá de cima sei que ela está muito orgulhosa", afirmou.

O surfista sabe que o Japão guarda lembranças para ele, que conquistou o evento de surfe nos Jogos de Tóquio e também foi no país asiático que ganhou o ISA Games, em 2019. Além dos títulos, outra semelhança curiosa é sobre os perrengues que passou nos dois eventos.

Na Olimpíada, Italo chegou à final com a perna machucada. Toda vez que saía da água, estava mancando. Na bateria decisiva contra Kanoa Igarashi, ele ainda teve a prancha quebrada no início da bateria e precisou trocá-la às pressas. "Foi um evento especial. Teve um momento em que tentei um aéreo e quase destruí meu joelho."

No ISA Games de 2019, a história daria um bom filme. O surfista potiguar estava nos Estados Unidos e teve seus documentos furtados. Sem o passaporte, não podia viajar para competir no Japão. Fez tudo às pressas, falou com embaixada, recorreu a todas as pessoas possíveis e acabou chegando na praia da competição durante a realização de sua bateria. Entrou na água com um bermuda jeans, com a prancha emprestada de Filipe Toledo, e conseguiu se classificar. Depois, foi campeão.

Todo esse esforço premia o surfista, que agora já tem no currículo os principais títulos da modalidade. "Espero que tudo isso sirva de inspiração para aqueles que vêm de baixo. Eu vivo intensamente e fiz valer a pena meu último mês de treinamento. Toda a competição me desafio e no meio do caminho preciso desviar dos obstáculos", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.