Jonne Rorirz/COB
Jonne Rorirz/COB

Campeão olímpico em Tóquio, Italo Ferreira nunca deixou de lado a prancha de isopor de Baía Formosa

Sem esquecer suas origens, surfista potiguar escreve nome na história do esporte olímpico com ouro nos Jogos Olímpicos

Paulo Favero, enviado especial/Tóquio, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2021 | 09h00

Italo Ferreira tinha acabado de sair do mar como o primeiro campeão olímpico de surfe. As expectativas eram altas em relação a ele e a Gabriel Medina, dois dos melhores atletas da atualidade no esporte. Então, o surfista passou diante dos jornalistas aqui na praia de Tsurigasaki, respondeu duas perguntas e foi apressado à cerimônia de pódio. "Eu volto", disse. E depois voltou mesmo, com a medalha no peito, e brincou com os repórteres que já o acompanham há algum tempo. "Não falei que viria aqui novamente?"

Carismático, ele trata todos da mesma forma. Isso ele aprendeu no berço, lá em Baía Formosa, uma praia de ondas divertidas que apareceu no mapa por causa do talento desse menino. Ele sempre frisa que não "esquece suas origens" e faz questão de ter seus amigos de infância em volta. Até ampliou sua casa no Rio Grande do Norte para caber todo mundo que o visita.

Aliás, esse foi o segredo do surfista na preparação para os Jogos de Tóquio. Depois de uma sequência de etapas do Circuito Mundial na Austrália, Italo emendou uma disputa na Califórnia, no Surf Ranch, mas então fez questão de voltar ao Nordeste brasileiro. Lá, junto aos seus, treinou na academia que ele mesmo construiu e se preparou fisicamente, mas também emocionalmente para a Olimpíada. É em Baia Formosa que o agora campeão olímpico recarrega suas energias, renova sua fé e se enche de esperança para o que der e vier.

Italo tinha certeza de que a disputa na estreia do surfe no programa olímpico seria mental. E foi assim que ele foi superando um a um seus adversários. Se a perna esquerda doía por causa de uma lesão muscular, ele não deixava se abater e se esforçava mais. Se outro atleta do Time Brasil competia, ele torcia pela televisão. É um cara de grupo. Chegou a quase quebrar uma mesa quando a skatista Rayssa Leal errou uma manobra que poderia lhe dar a medalha de ouro no street.

E foi com essa união mesmo à distância de sua delegação que ele foi se vestindo do espírito olímpico. Uma qualidade que Italo tem é sempre querer aprender mais. É assim no surfe, é assim na vida. O garoto que começou a surfar usando as tampas das caixas de isopor nas quais seus pais colocavam peixe para vender parece o mesmo de antes, mas apenas o material usado para deslizar nas ondas é outro.

No Havaí, Italo fez história em 2019 ao se sagrar campeão mundial vencendo justamente Gabriel Medina, talvez o mais talentoso surfista da atualidade, na final do Pipe Masters. No Japão, foi para a decisão olímpica com a pressão pela medalha, mas logo impôs seu estilo mesmo vendo sua prancha quebrar nos primeiros minutos da bateria. E mesmo com a medalha pesada no peito, mostrou-se o mesmo garoto alegre que diverte os fãs nas redes sociais. Chora e sorri com a mesma facilidade. Italo tem 27 anos, pesa 68 quilos e tem 1,68m de altura. 

Em Tóquio, o surfista entrou no seleto grupo de campeões olímpicos brasileiros, o primeiro do surfe. Aos 27 anos, ainda vai disputar o título mundial nesta temporada e pretende abrir um instituto na sua terra para ajudar crianças no desenvolvimento social, educacional e esporte. Apesar da fama, quer tentar levar uma geração de jovens junto com ele.

Pela medalha de ouro, vai receber a premiação do Comitê Olímpico do Brasil de R$ 250 mil. O dinheiro ajuda e ele sabe quanto vale cada real. Porque quando era garoto, seu pai e os familiares o ajudam financeiramente para que ele pudesse disputar os campeonatos, comprar as pranchas quando não havia patrocinador. 

No fundo, Italo ainda é aquele garoto que se divertia nas marolas com uma prancha improvisada, que muitas vezes levava bronca do seu pai porque estragava o objeto que servia ao sustento da família, a tampa do isopor. A única diferença é que agora ele tem uma medalha de ouro. "Sou muito agradecido a todas as pessoas que me ajudaram a chegar até aqui", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.