Reuters
Reuters

Candidatura de Los Angeles parabeniza Trump e diz que Jogos Olímpicos transcendem política

Cidade norte-americana é candidata a receber Olimpíada de 2024

Estadão Conteúdo

09 de novembro de 2016 | 17h48

A mudança radical no comando da prefeitura de Roma, com a chegada de uma prefeita anti-establishment, culminou com a desistência da capital italiana no processo de escolha da sede dos Jogos Olímpicos de 2024. Agora, há o temor de que a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos cause efeito semelhante na forte candidatura de Los Angeles.

Nesta quarta-feira, porém, o comitê LA 2014, que cuida da candidatura, soltou comunicado para parabenizar Trump e lembrar seu longevo apoio ao movimento olímpico nos Estados Unidos. "Nós acreditamos fortemente que a Olimpíada e Los Angeles-2024 transcendem a polícia e podem unificar diversas comunidades e nosso mundo", diz a nota.

O comitê ainda lembra que a candidatura tem 88% de apoio da população e um forte apoio bipartidário em nível municipal, estadual e federal. Nos dois primeiros, o governo é democrata, enquanto Trump foi eleito pelo Partido Republicano.

Até agora, Trump não deu nenhum indício de que retiraria o apoio federal à candidatura de Los Angeles. A maior preocupação, assim, é com o impacto que sua postura pode ter no processo de escolha da sede dos Jogos de 2024, o que vai acontecer em Lima, no Peru, em setembro do ano que vem.

Durante sua campanha, o agora presidente eleito dos Estados Unidos ofendeu diversos países, especialmente os mexicanos, e atacou também a religião muçulmana. Essas ofensas atingem boa parte dos 98 membros do Comitê Olímpico Internacional (COI) que terão direito a voto.

Em entrevista à agência de notícias The Associated Press, Dick Pound, do Canadá, admitiu que essa influência pode ser sentida. Ao mesmo tempo, ele também reconheceu que a capacidade de Trump de seduzir a audiência pode jogar a favor de Los Angeles se ele se envolver diretamente com a candidatura.

Sam Ramsamy, da África do Sul, porém, negou que as declarações de Trump durante a campanha possam influenciar a candidatura de Los Angeles. O presidente eleito norte-americano chegou a descrever o país sul-africano como "uma bagunça muito perigosa". "Ele tem sido rude com todo mundo. Eu não acho que isso vai afetar a candidatura, contudo", afirmou à AP.

Historicamente, os presidentes norte-americanos se envolvem com as candidaturas olímpicas. Em 2009, Barack Obama foi a Copenhague, na Dinamarca, para defender Chicago na eleição vencida pelo Rio. Hillary Clinton, como secretária de Estado, foi forte defensora de Nova York na briga pelos Jogos de 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.