Kyodo|Reuters
Kyodo|Reuters

CEO olímpico ameniza preocupação com coronavírus e diz estar de 'cabeça fria'

Futura sede olímpica e paralímpica, Japão é o segundo país com maior número de casos confirmados de coronavírus

Redação, Estadão Conteúdo

06 de fevereiro de 2020 | 11h02

Um dia após afirmar estar "seriamente preocupado" com o coronavírus, o CEO do Comitê Organizador Tóquio-2020, o japonês Toshiro Muto, minimizou a preocupação demonstrada na quarta-feira e disse nesta quinta que está de "cabeça fria" diante do surto que teve início no país vizinho.

"De forma a evitar qualquer mal-entendido, eu gostaria de dizer que os Jogos Olímpicos e Paralímpicos serão realizados de acordo com o que está programado", disse o dirigente, ao negar novamente qualquer atraso ou adiamento no planejamento dos dois grandes eventos esportivos.

Muto fez as declarações em entrevista coletiva em parceria com o Comitê Paralímpico Internacional (IPC). Porta-voz do IPC, Craig Spence foi ainda mais direto que Muto ao comentar a preocupação com o coronavírus, a menos de seis meses para a Olimpíada.

"Uma coisa que estou percebendo neste momento é que o medo está se espalhando mais rápido do que o vírus. E é importante que possamos conter este medo", declarou o dirigente. "Precisamos colocar as coisas em perspectiva e, até que a Organização Mundial da Saúde (OMS) diga o contrário, temos que proceder com nossas ações de forma normal."

Futura sede olímpica e paralímpica, o Japão é o segundo país com maior número de casos confirmados de coronavírus, atrás apenas da China, onde o surto teve início. Já são 45 casos em solo japonês, mas sem nenhum óbito até agora. Já no país vizinho já foram confirmadas 564 mortes.

Por precaução, a organização dos Jogos anunciou nesta semana uma força-tarefa para acompanhar a evolução do surto. E, desde então, vem repetindo que os eventos não vão sofrer nenhuma mudança em razão do coronavírus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.