Reprodução
Reprodução

Chamado na vaga de Varejão, Felício se diz feliz por participar de algo 'mágico'

'Estou vindo de uma boa temporada pelo Bulls, conquistamos a Summer League e muito motivado para defender o Brasil', disse o pivô

Estadão Conteúdo

29 de julho de 2016 | 12h08

Convocado para o lugar de Anderson Varejão - diagnosticado com uma hérnia de disco na região lombar em exames realizados pelo Golden State Warriors, sua equipe na NBA, nos Estados Unidos -, o pivô Cristiano Felício chega neste sábado ao Brasil para se juntar ao grupo da seleção brasileira masculina de basquete comandado pelo técnico argentino Rubén Magnano para a disputa da Olimpíada do Rio. E, se dizendo pronto para isso, não vê a hora de jogar.

Pivô do Chicago Bulls, Cristiano Felício ajudou a franquia a conquistar o título inédito da Summer League (Liga de Verão) da NBA, realizada no começo deste mês. Apelidado de "Brazilian Beast" (Fera Brasileira) pelos torcedores norte-americanos, o jogador se diz feliz com a oportunidade, mas ao mesmo tempo triste pela lesão de Anderson Varejão.

"Estou muito feliz. Chateado pelo Anderson, que é um amigo, alguém que sempre me deu muita força, apoio, e que merecia muito estar disputando essas Olimpíadas, mas feliz pela oportunidade, por poder representar o meu país mais uma vez, participar de algo tão mágico, tão especial como os Jogos. Estou vindo de uma boa temporada pelo Bulls, conquistamos a Summer League e muito motivado para defender o Brasil", disse o pivô, que veste a camisa da seleção brasileira desde os 16 anos.

Em 31 partidas disputadas na temporada 2015/2016, o pivô foi titular em quatro oportunidades com médias de 9,7 minutos, 3,4 pontos, 3,3 rebotes, 0,8 assistências e 0,4 tocos por jogo. Em abril, em seu melhor momento na NBA, jogou em sete partidas e seus números cresceram consideravelmente com 19,4 minutos, 7,9 pontos, 5,9 rebotes, 1,1 assistências e 0,9 tocos por partida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.