Reuters/Adriano Machado
Reuters/Adriano Machado

A seis dias da Olimpíada, Governo dispensa chefe do cerimonial do Itamaraty

Igreja exerceu cargo no Planalto durante governo Dilma e deve agora ser enviado a Cuba

Vera Rosa e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2016 | 05h23

O chefe do cerimonial do Ministério das Relações Exteriores, Fernando Igreja, foi dispensado pelo presidente em  exercício Michel Temer, a seis dias da abertura da Olimpíada, no Rio. O governo agiu rápido para tratar o assunto como uma substituição de rotina, fazendo acertos para que Igreja assuma a embaixada do Brasil em Cuba. Nos bastidores, porém, o fato é que há um descontentamento no Palácio do Planalto porque o diplomata sempre foi um defensor da presidente afastada Dilma Rousseff.

O comentário no núcleo do governo é que Igreja chegou até mesmo a postar mensagens pró-Dilma no Facebook. Atualmente, ele era o responsável pela organização da recepção de todos os chefes de Estado para a Olimpíada.

Antes de ser enviado a Cuba, o embaixador deverá assumir um posto em Pequim como encarregado de negócios. A chegada a Havana, no entanto, ainda pode demorar porque o governo cubano precisa antes aceitar a indicação -- o chamado “agrément” -- e, depois, Igreja deverá passar por uma sabatina no Senado.

Na tentativa de contornar o mal estar, o governo Temer acertou com o embaixador uma exoneração “a pedido”, publicada na edição extra do Diário Oficial da União, que circulou neste sábado. A dispensa, no entanto, foi cuidadosamente planejada ao longo da sexta-feira, com troca de telefonemas entre ministros, diplomatas e Temer, para evitar que a transferência para Havana acabasse sendo interpretada como “retaliação”. “Ele quer ir para Cuba mesmo”, disse um ministro ao Estado.

Igreja exerceu interinamente o cargo de chefe do cerimonial da Presidência da República entre 11 de agosto e 8 de setembro do ano passado, substituindo Renato Mosca,  que estava em licença médica naquele período. Dilma ficou irritada com Igreja quando, em 27 de agosto, foi “barrada” por ele numa solenidade no Planalto, para comemorar os 10 anos do Bolsa Atleta. Na ocasião, o chefe do cerimonial pediu à presidente que aguardasse a passagem de atletas cadeirantes. Levou uma bronca de Dilma.

Com a saída de Igreja, o diplomata João Mendes assume interinamente a organização do cerimonial da Olimpíada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.