China diz que ar melhorou, mas Pequim continua cinzenta

Governo mantém restrições no trânsito, na área civil e industrial para evitar aumento da poluição na cidade

Lindsay Beck, REUTERS

25 de julho de 2008 | 10h02

As iniciativas contra a poluição atmosférica em Pequim já estão dando resultados, afirmaram autoridades chinesas na sexta-feira, insistindo que o ar deverá estar puro para a disputa das Olimpíadas em agosto, apesar de uma camada cinzenta persistir sobre a cidade. Veja também: China e Rússia vão cooperar no controle de fronteiras nos Jogos  Vila Olímpica terá áreas para religiões majoritárias  China deve destruir adversários no tênis de mesa Na última semana, entrou em vigor um rígido rodízio de automóveis, e novas linhas de metrô foram inauguradas. Além disso, foram adotadas restrições ao funcionamento de obras e fábricas. "Para que os efeitos das medidas que adotamos sejam sentidos cada vez mais, teremos de fazer esforços continuados", disse Du Shaozhong, do Escritório de Proteção Ambiental de Pequim, em entrevista coletiva. "Devido à localização geográfica de Pequim, é bastante difícil melhorar a qualidade do ar e cortar emissões [de poluentes]", acrescentou. A crônica poluição de Pequim, estimulada pelo forte crescimento econômico, é uma das maiores preocupações dos organizadores. Por causa dessa situação, o etíope Hailé Gebrselassié anunciou que vai participar da prova dos 10 mil metros, mas não da maratona. Outros atletas dizem que a poluição pode afetar seu desempenho. Du admitiu que a qualidade do ar na sexta-feira em Pequim é insatisfatória, atingindo apenas o nível 3 na escala chinesa, que vai até 5. Mas ele afirmou que a tendência geral é de melhora, e que já houve uma redução de 20 por cento na concentração de monóxido de carbono, dióxido de nitrogênio e material particulado - poluentes emitidos por veículos - em comparação ao mesmo período de 2007. Du disse que neste mês houve 22 "dias de céu azul", segundo os critérios do Índice de Poluição Atmosférica da China, que não é reconhecido internacionalmente, pois omite os efeitos de vários poluentes. Especialistas dizem que será impossível resolver várias décadas de poluição industrial - parte dela vinda de províncias distantes - com medidas apressadas, especialmente nos meses quentes e úmidos do verão. "Nos últimos dias não houve chuva ou ventos significativos, e as condições climáticas dos últimos dias não induziram à difusão dos poluentes atmosféricos", disse Du, explicando a presença da camada cinza sobre Pequim. Mas o funcionário disse que os atletas não precisam trazer máscaras para competir. "Se insistirem em fazê-lo, será apenas um item a mais para tornar sua bagagem mais pesada", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaOlimpíadasPequim 2008poluição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.