China lança manual antiterrorismo para moradores

Governo chinês quer evitar distúrbios de sua população em caso de atentado terrorista durante os Jogos

REUTERS

18 de julho de 2008 | 11h06

Depois de deixar mísseis terra-ar a postos,convocar uma força antiterror de 100 mil integrantes einstituir uma série de postos de segurança, Pequim quer que oscidadãos chineses também atuem nos esforços para evitar que aOlimpíada seja alvo de algum ataque. Autoridades de segurança publicaram um novo "manualantiterrorismo" para educar os chineses e ensiná-los como agirquando forem capturados ou estiverem diante de uma ameaça, deacordo com reportagem publicada nesta sexta-feira pela agênciade notícias oficial Xinhua. "Quando você notar algo suspeito, você precisa checá-loprimeiro, então ouvi-lo, sentir o seu cheiro, mas evitetocá-lo", diz o manual, segundo a Xinhua. A agência informa que o manual descreve 39 possíveisameaças terroristas, incluindo explosões, incêndios, tiroteios,sequestros e até ataques químicos, biológicos e nucleares. Obcecado com a segurança, o governo chinês acredita que umataque terrorista seja a maior ameaça potencial ao sucesso dosJogos, que vão de 8 a 24 de agosto. Por isso, os preparativosna área de segurança estão sendo amplamente divulgados. "Você também tem de esconder seus celulares, caso sejasequestrado por terroristas" é outra das recomendações domanual. Não ficou claro quantas cópias do manual serão publicadasnem quando ou como elas serão distribuídas. A China, que está ansiosa para usar os Jogos Olímpicos comosímbolo de sua modernidade e poder econômico, disse que a maiorpreocupação são as ameaças internas, como militantes uigures etibetanos a favor da independência de suas regiões. Autoridades afirmam que as forças de segurança desbarataramcinco "grupos terroristas" que planejavam atacar os Jogos dePequim -- a polícia teria detido 82 pessoas só em Xinjiang. Mas grupos em defesa dos direitos humanos dizem que a Chinaestá usando a segurança da Olimpíada como desculpa parareprimir seus dissidentes internos.

Tudo o que sabemos sobre:
terrorismoChinaPequim 2008Olimpíadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.