China prende mais estrangeiros por protestos pró-Tibete

Ao menos oito ativistas norte-americanose vários outros estrangeiros foram detidos em Pequim à medidaque o governo intensifica a repressão aos protestos pró-Tibeteno país da Olimpíada, afirmaram grupos de defesa dos direitoshumanos na quarta-feira.O grupo Estudantes por um Tibete Livre disse, mais cedo, queautoridades prenderam cinco jornalistas que estavam em Pequimpara promover a liberdade no Tibete, na terça-feira. O grupo,baseado em Nova York, disse que o ativista e artista JamesPowderly também foi preso. Mais tarde, na quarta-feira, o grupo disse que outrosquatro manifestantes, incluindo dois americanos e um britânico,foram detidos depois de abrirem uma bandeira tibetana em frenteao Ninho de Pássaro. A Olimpíada de Pequim não tem sido assolada pela grandequantidade de protestos que as autoridades temiam. Mas algunsmanifestantes advogando pela independência do Tibeteencontraram uma brecha, e em um caso abriram uma faixa em aolado dos escritórios da TV estatal com os dizeres "TibeteLivre". A China é particularmente sensível às críticas quanto à suaação no Tibete, região no extremo oeste do país invadida portropas comunistas em 1950. "Com relação aos estrangeiros promovendo manifestações emPequim em apoio à independência do Tibete, as autoridadescompetentes têm o direito de lidar com essas coisas de acordocom a lei", disse o porta-voz do Ministério do Exterior, QuinGang, em uma entrevista coletiva, na quarta-feira. "Gostaria de enfatizar que na China, atividades de apoio àindependência do Tibete serão fortemente condenadas pelo povochinês e não serão bem-vindas. O Comitê de Proteção aos Jornalistas disse que a China tembloqueado mais de 50 sites que trazem notícias ou que advogamem favor de grupos pró-Tibete, incluindo o site da própriaorganização, antes do início dos Jogos. Um membro da Estudantes por um Tibete Livre disse que osite do grupo nos EUA foi atacado por crackers, com o objetivode dificultar o uso. (Reportagem adicional de Gary Crosse, em Nova York)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.