China procura treinador para seleção feminina de futebol

Técnica sueca Marika Domanski teria pedido demissão do cargo por não se acostumar com a cozinha chinesa

Efe,

24 de outubro de 2007 | 09h49

A menos de 300 dias do início dos Jogos Olímpicos de 2008, a seleção chinesa de futebol feminino procura um novo treinador, após a demissão da sueca Marika Domanski. Oficialmente são vários os motivos utilizados para explicar a demissão da treinadora. Ela e a sua comissão técnica não teriam se acostumado com a cozinha chinesa, e se sentiam muito afastadas de suas famílias. No entanto, a imprensa especializada chinesa, mesmo os jornais governistas, dizem que Domanski decidiu abandonar a equipe por não suportar a ingerência das autoridades esportivas em seu trabalho. Além disso, a Associação Chinesa de Futebol nunca atendeu à sua exigência de um assessor que falasse inglês. Desde os Jogos de Atenas 2004, a equipe já teve cinco treinadores. A Associação já elabora uma lista de exigências para os futuros candidatos. Eles "deverão ter experiência com equipes grandes e um estilo de treino adequado ao caráter geral da equipe", segundo Meng Hongtao, membro da entidade. Apelidadas de "Rosas de Aço", as jogadoras da seleção chinesa conseguiram o vice-campeonato mundial, em 1999, e a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008futebol feminino

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.