Chineses definem praças oficiais de protesto em Pequim

Apesar de 'liberar' locais, governo chinês não pretende liberar qualquer tipo de manifestão durante os Jogos

Cláudia Trevisan, Agencia Estado

23 de julho de 2008 | 12h35

Três parques de Pequim foram escolhidos pelo governo chinês como locais "oficiais" para manifestações durante as Olimpíadas, mas quem quiser protestar contra alguma coisa ainda terá que obter autorização prévia das autoridades. Os "protestódromos" serão os parques Ritan, Shijie e Zi Zhu, localizados em diferentes regiões da cidade. Mas é pouco provável que manifestações contrárias aos interesses do governo chinês ocorra durante as Olimpíadas.O porta-voz do departamento de segurança do Comitê Olímpico de Pequim, Liu Shaowu, ressaltou ontem que só serão admitidos protestos realizados nos termos da legislação chinesa e que tenham sido aprovados previamente. As regras em vigor proíbem qualquer ato que ameace a segurança nacional, expressão ampla o bastante para incluir manifestações pró-Tibete ou relacionada à Falun Gong, a seita religiosa banida nos anos 90.Segundo Shaowu, serão proibidas as manifestações de atletas dentro das instalações olímpicas que tenham caráter de propaganda "étnica, política e religiosa", nos termos da Carta Olímpica. O texto da carta é sutilmente distinto e fala de propaganda política, religiosa ou racial, que tem uma conotação distinta de étnica.Ao dar uma interpretação própria para as regras olímpicas, as autoridades de Pequim têm como alvo principal eventuais demonstrações de apoio ao Tibete, onde ocorreram em março os mais violentos protestos contra o governo chinês das últimas duas décadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.