Divulgação/Okuizumo
Divulgação/Okuizumo

Cidades vivem dilema sobre ainda serem instalações olímpicas dos Jogos de Tóquio

Algumas localidades estão se retirando, como Okuizumo, enquanto outros estão traçando planos para tentar honrar os compromissos

AFP, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2021 | 20h00

Antes da pandemia do novo coronavírus, a cidade rural de Okuizumo, no oeste do Japão, alegrou-se com a perspectiva de hospedar o time indiano de hóquei na grama para os Jogos Olímpicos de Tóquio. Mas a crise mundial de saúde obrigou o município a cancelar tudo.

Continuar apesar de tudo ou renunciar? Outras 100 localidades japonesas associadas aos Jogos Olímpicos programados para ocorrer de 23 de julho a 8 de agosto estão enfrentando esta difícil decisão. Alguns estão se retirando, como Okuizumo, enquanto outros estão traçando planos para tentar honrar os compromissos já assumidos.

Okuizumo investiu o equivalente a mais de 4 milhões de euros, uma quantia enorme para este município de apenas 12 mil habitantes, na renovação das suas instalações esportivas. Mas, a cidade jogou a toalha diante da dor de cabeça de receber os indianos em um contexto de saúde ainda crítico: seria necessário criar uma "bolha" para os atletas, com exames regulares e uma equipe médica disponível o tempo todo.

“Queríamos que uma das melhores equipes do mundo visitasse nossa cidade e mostrasse suas habilidades aos nossos filhos”, mas isso parece ter se tornado “impossível”, disse Katsumi Nagase, uma autoridade municipal, à agência France Presse.

Mais de 500 municípios japoneses se ofereceram para hospedar as 206 delegações olímpicas. Agora, essas localidades terão de garantir que as regras de distanciamento entre os moradores e os atletas sejam respeitadas. Isso significa que as visitas escolares e os treinamentos abertos ao público não são mais possíveis.

No norte do Japão, a cidade de Kurihara também desistiu de receber o time sul-africano de hóquei na grama, pensando que não valia mais a pena. “Se este se tornar apenas um centro de treinamento para atletas, sem contato com os moradores, eles não poderão aproveitar”, argumenta Hidenori Sasaki, funcionário municipal responsável pela educação em nível local.

Em alguns casos, foram as próprias equipes olímpicas que cancelaram suas reservas previstas no Japão, por riscos à saúde. A equipe australiana de natação desistiu dos treinos em Nagaoka, no departamento de Niigata (norte). A equipe canadense de tênis de mesa fez o mesmo com Okaya, no departamento de Nagano (centro).

Para mostrar seu apoio apesar de tudo, Okaya planeja pendurar pôsteres dos atletas que a cidade teria hospedado. “Dada a situação, temos que nos adaptar”, resume Tomoko Hirose, funcionária municipal.

Mas há outras cidades que cumprem seus compromissos. A cidade de Tsuruoka, no norte do país, espera receber várias dezenas de atletas olímpicos e paraolímpicos da Alemanha e da Moldávia. Tsuruoka tem um relacionamento de longa data com a Moldávia.

"O que importa para nós é continuar com os nossos intercâmbios", diz Takayuki Ito, chefe dos serviços de educação locais, citando, por exemplo, os recentes torneios online de arco e flecha organizados entre a cidade e amigos moldavos. “Há coisas que podemos fazer sem gastar muito dinheiro”, diz Ito. Mas, uma vez em campo, os convidados olímpicos de Tsuruoka terão de evitar o contato com os locais: suas saídas serão limitadas às áreas de treinamento.

No departamento de Tottori (oeste), a cidade de Yonago também espera várias dezenas de nadadores jamaicanos, ginastas olímpicos e remadores paraolímpicos. Yonago cultiva relacionamentos com a Jamaica desde 2015 e entende que seu dever é manter seu papel como local olímpico para fortalecer esses laços.

No hotel, os atletas jamaicanos terão um andar reservado e usarão um elevador específico para evitar o saguão. Eles também terão de ser submetidos regularmente aos testes da covid-19 e a usar rotas predefinidas para ir aos locais de treinamento.

“Planejamos com antecedência. Desta vez não poderemos ter contato com os atletas. Mas o legado vai ficar”, espera Kyohei Takahashi, responsável pela promoção do esporte local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.