CNN é processada em US$1,3 bi na China; US$1 por cada chinês

Uma professora primária e umaesteticista entraram com um processo contra a CNN em Nova Yorkpor comentários que, segundo elas, ofenderam o povo chinês, equerem indenização de 1,3 bilhão de dólares -- um dólar paracada habitante do país, segundo informou um jornal de HongKong. Além da emissora sediada em Atlanta, sua parceira, a TurnerBroadcasting, e Jack Cafferty, o jornalista responsável peloscomentários considerados agressivos, também estão sendoprocessados. Recentemente, 14 advogados entraram com um processosemelhante em Pequim, alegando que os comentários de Cafferty,feitos no começo deste mês, violaram a dignidade e a reputaçãodos chineses. Cafferty disse que os Estados Unidos importam "porcarias"produzidas na China, "feitas com tintas de chumbo". Ele tambémdisse que as comidas para animais chinesas são "envenenadas". Eacrescentou: "Eles (os chineses) são basicamente os mesmosidiotas e assassinos há 50 anos". A CNN disse que Cafferty expressou uma opinião sobre ogoverno chinês, mas o Ministério das Relações Exteriores exigiudesculpas e acusou o canal de tentar separar o povo de suaslideranças. Os processos fazem parte de uma onda de críticas feitaspelos chineses ao noticiário ocidental, devido aos recentesprotestos no Tibet e às interrupções da passagem da tochaolímpica pelo exterior. A esteticista Liang Shubing, em Nova York, e a professoraLi Lian, em Pequim, afirmam que as palavras de Caffertyinsultaram todo o povo chinês e "intencionalmente causaramdanos mentais" a elas, disse o jornal Ta Kung Pao nestaquinta-feira. Questionada sobre o apoio do governo da China à ação contraa CNN, a porta voz do Ministério das Relações Exteriores, JiangYu, disse que se trata de uma "atividade espontânea de civischineses". "Não vamos esperar para ver a resposta da CNN", disse Jiangem uma coletiva de imprensa, referindo-se ao pedido doMinistério por desculpas. "Esperamos que a CNN leve isso a sério, porque o que a CNNfez e disse não apenas magoa a China, mas também prejudica aimagem da própria CNN". (Reportagem de John Ruwitch e Lindsay Beck)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.