Armend Nimani/AFP
Armend Nimani/AFP

COI anuncia reconhecimento definitivo de Kosovo

País passa a ser oficialmente uma nação independente no mundo esportivo e pode disputar seus primeiros Jogos Olímpicos em 2016

Estadão Conteúdo

09 de dezembro de 2014 | 09h21

O Kosovo conseguiu nesta terça-feira o direito de ser considerado uma nação independente no mundo esportivo. Após uma reunião realizada em Mônaco, o Comitê Olímpico Internacional (COI) confirmou o reconhecimento definitivo ao país, depois que seu Comitê Executivo anunciou a homologação provisória em outubro.

A medida foi tomada nesta terça por unanimidade, depois de uma eleição com os dirigentes do COI, e faz com que Kosovo garanta o direito de disputar sua primeira Olimpíada em 2016, no Rio de Janeiro. O país passa a ser a 205.ª nação reconhecida pela entidade.

Kosovo declarou independência em 2008, mas o Comitê Olímpico do país existe desde 1992 e conta com 30 federações nacionais afiliadas, sendo que 13 delas são de esportes olímpicos. Destas, seis são membros integrais de suas respectivas federações internacionais, enquanto sete são membros provisórios ou associados.

"O Comitê Executivo notou que o Comitê Olímpico de Kosovo tem os fatores requeridos e determinados no regulamento olímpico. Eles incluem requerimentos esportivos e técnicos, além da definição de ''país'' definida na Regra 30.1 - ''um Estado independente reconhecido pela comunidade internacional''. Kosovo é reconhecido como país por 108 dos 193 membros das Nações Unidas", explicou o COI em comunicado oficial em outubro, quando definiu o reconhecimento provisório.

A decisão desagradou o Comitê Olímpico Sérvio, que trabalhava para bloquear a aceitação do Kosovo. A Sérvia, aliás, não reconhece a independência kosovar. Os países travaram uma sangrenta guerra na década de 90, quando Kosovo lutava para conseguir a separação. Desde então, a tensão entre as nações segue latente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.