Benoit Tessier/Reuters
Benoit Tessier/Reuters

COI divulga seis novos casos de doping nos Jogos de Pequim-2008

Quatro medalhistas olímpicos testam positivo em reanálise; Comitê pede medalhas de volta

Victor Rezende, Estadão Conteúdo

31 Agosto 2016 | 12h03

O Comitê Olímpico Internacional (COI) divulgou nesta quarta-feira, 31 de agosto, mais seis casos de doping relativos aos Jogos Olímpicos de Pequim-2008 após reanálise de testes antidoping. Dos seis envolvidos, três são medalhistas olímpicos no levantamento de peso e no atletismo. No total, já se somam 98 novos casos de doping nos Jogos de Pequim-2008 e de Londres-2012.

Bronze na categoria até 69kg do levantamento de peso, o armênio Tigran Martirosyan, teve reanálise positiva para a substância Turinabol e teve sua medalha cassada. Caso semelhante foi o da russa Nadezda Evstyunkhina, que tinha herdado a prata nos Jogos devido a casos de doping de suas concorrentes, foi desclassificada. A atleta, da categoria até 75kg, testou positivo em uso de EPO.

Outra russa que perdeu sua medalha olímpica foi Marina Shainova, da categoria até 58kg. Ela havia ficado com a prata em Pequim-2008, mas, por ter utilizado Turinabol, sua medalha foi cassada.

O moldavo Alexandre Dudoglo, do levantamento de peso na categoria até 69kg, ficou em nono lugar na Olimpíada da China, e testou positivo com a substância stanozolol. Outro atleta que não foi ao pódio, mas acabou testando positivo, foi Intigam Zairov, do Azerbaijão, por uso de Turinabol, que havia conquistado a nona colocação na categoria até 85kg. Foi a terceira vez que o azeri foi flagrado no antidoping.

Outro caso de teste positivo foi o de Tatyana Firofova, do revezamento 4x400m da Rússia, que havia sido medalha de prata em Pequim. A atleta, que havia ficado em quinto na competição individual dos 400m, perdeu a medalha.

Com as reanálises, o Comitê Olímpico Internacional pediu, no comunicado oficial, que as medalhas da Rússia e da Armênia sejam devolvidas à entidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.