COI monitora poluição, mas dá novo aval a Olimpíada de Pequim

Inspetor da entidade faz visita à China para acompanhar os programas de despoluição implantados pelo governo

Nick Mulvenney, da Reuters,

25 de outubro de 2007 | 10h47

O inspetor olímpico Hein Verbruggen não acredita em "riscos ou perigos" nos preparativos de Pequim para a Olimpíada de 2008, embora o problema da poluição atmosférica continue sendo monitorado de perto. Falando ao final da penúltima visita de três dias do grupo de inspetores do Comitê Olímpico Internacional (COI), na quinta-feira, Verbruggen disse que os Jogos têm tudo para atender aos maiores padrões de exigência, mesmo que ainda haja muito trabalho a ser feito nos próximos 288 dias. "Não há nada, e repito, nada, que represente qualquer risco ou perigo para a organização dos Jogos do ano que vem", disse o holandês, presidente da comissão de coordenação do COI. "Esperamos muitas luzes verdes no que diz respeito aos preparativos desses Jogos para o ano que vem, nossos amigos aqui estão fazendo um trabalho perfeito para fazer desses Jogos grandes Jogos." Um relatório divulgado também na quinta-feira pelo Programa Ambiental da ONU diz que Pequim tem tudo para realizar uma "Olimpíada Verde", mas que a poluição atmosférica continua sendo um problema. Segundo Verbruggen, o COI e o Comitê Organizador local monitoram a situação "dia a dia." "Trata-se de uma questão de saúde, seria quase insultante que não levássemos a sério, mas continuamos confiantes de que isso será suficientemente tratado." Jiang Xiaoyu, vice-presidente executivo do comitê local, disse que Pequim manterá seu bilionário projeto de redução da poluição, mas que haverá também algumas medidas de contingência para a época olímpica. Isso pode incluir a retirada de 1,3 milhão de carros das ruas, como aconteceu durante um evento-teste em agosto, e intervenções nas fábricas poluidoras do subúrbio da capital, segundo Jiang. "Se a qualidade do ar não atender aos padrões, vamos tomar algumas medidas para limitar a produção [de poluentes]. Temos de analisar os dados do teste para então fazer propostas e apresentá-las aos departamentos governamentais relevantes." Sobre a possibilidade de que algumas provas de resistência sejam levadas para fora de Pequim caso o ar esteja ruim, Verbruggen foi enfático: "Não há nem uma chance remota de que os eventos não ocorram aqui." De acordo com ele, o COI também monitora atrasos na construção do Centro Internacional de Transmissões. Jiang disse que uma empreiteira atrasou a construção de um muro, o que se refletiu em toda a obra. "Mas acreditamos que a construção do Centro Internacional de Transmissões estará completa até o final do ano."

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.