Mauro Pimentel / AFP
Mauro Pimentel / AFP

COI pode ter reunião de emergência para tratar de Nuzman

Entidade espera que o dirigente brasileiro opte por renunciar ao seu cargo no Comitê de Coordenação para os Jogos de Tóquio

Jamil Chade, correspondente na Suíça, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2017 | 07h39

GENEBRA - O COI pode realizar nesta sexta-feira uma reunião de emergência de seu conselho para avaliar a situação de Carlos Arthur Nuzman. O brasileiro, preso por suspeita de corrupção, é ainda membro de honra da entidade olímpica e faz parte do Comitê de Coordenação para os Jogos de Tóquio, cargo que lhe foi oferecido pelo COI há apenas cinco meses. 

+ Patrimônio de presidente do COB cresceu 457%, aponta MPF

O encontro, que está sendo planejado para ocorrer nesta tarde, debaterá que tipo de medidas poderão ser tomadas. Uma das opções sobre a mesa é a suspensão temporária do brasileiro. Mas a esperança do COI é de que, até o encontro começar, os advogados do dirigente façam um gesto e optem renunciar de forma voluntária aos cargos.

 + COI diz que poderá suspender Nuzman

Quem seguiu esse caminho foi um dos auditores da votação no COI que garantiu a vitória do Rio de Janeiro, Frankie Fredericks. Ele decidiu abandonar seus cargos dentro do COI horas antes que o Comitê de Ética da entidade revelasse ao público que ele seria suspenso.

Declarando ser inocente, ele abdicou ao cargo de presidente da comissão de avaliação dos Jogos de 2024. Mas, com o COI, driblou um constrangimento internacional para tentar mostrar que foi ele mesmo quem havia optado sair. 

+ 'Brasil não é mais um paraíso de bandidos e corruptos', diz PF

De acordo com o Ministério Público francês, a família de Diack, suspeita de ter recebido US$ 1,5 milhão de empresários próximos aos organizadores da Rio2016, transferiu US$ 299,3 mil pela empresa Pamodzi para a empresa offshore Yemli Limited. O deposito ocorreu em 2 de outubro de 2009, dia da vitória do Rio para sediar os Jogos. Mas a empresa beneficiada tinha uma relação direta com Fredericks, que foi justamente um dos monitores do COI no momento do voto nas eleições de 2009 e vencidas pelo Rio. 

Poucos dentro da entidade tem se manifestado de forma contundente diante do novo escândalo, principalmente diante do risco de que Nuzman decida cooperar com a Justiça e dar nomes de outros envolvidos. 

Mas fontes indicam que o presidente do COI, Thomas Bach, quer dar um sinal a patrocinadores de que está se distanciando de Nuzman. Seu gabinete faz circular a notícia, nos últimos dias, que o alemão estaria muito irritado com tudo o que ocorre no Brasil e o comportamento de Nuzman. Bach, porém, não tem se pronunciado oficialmente. 

No centro da polêmica está Lamine Diack, ex-presidente da Associação Internacional de Atletismo. Sua suspensão do COI apenas ocorreu depois que ele foi detido na França, mesmo que por meses o processo e indiciamento já fossem uma realidade. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.