COI recomenda suspensão do ex-presidente da IAAF por suspeita de corrupção

A Comissão de Ética do Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou nesta segunda-feira que recomendou a suspensão provisória do senegalês Lamine Diack do seu corpo de membros honorários. O ex-presidente da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês) sofre investigação criminal por corrupção e lavagem de dinheiro.

Estadão Conteúdo

09 de novembro de 2015 | 16h08

"Com relação às investigações policiais contra o ex-presidente da IAAF, Sr. Lamine Diack, a Comissão de Ética do COI decidiu hoje recomendar a suspensão provisória da sua posição de membro honorário do COI", anunciou a entidade, em nota. Diack foi membro do COI de 1999 até 2013. No ano seguinte, passou a ser membro honorário da entidade.

O senegalês de 82 anos é suspeito de ter recebido pelo cerca de 1 milhão de euros da Rússia para encobrir resultados positivos em exames antidoping, em 2011. Ele deixou a presidência da IAAF em agosto deste ano, após ocupar o cargo pelos últimos 16 anos - Sebastian Coe venceu as últimas eleições.

As investigações foram reveladas na semana passada. Nesta segunda-feira, a Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) divulgou relatório exaustivo em que revela casos "sistemáticos" de doping no atletismo da Rússia.

De acordo com o documento, o governo russo promoveu uma indústria para manipular resultados no atletismo, subornando dirigentes, comprando resultados, criando laboratórios secretos e mesmo destruindo mais de 1,4 mil amostras de sangue de atletas antes que fossem examinados. As denúncias chocaram o mundo esportivo. O COI condenou os casos e Sebastian Coe, novo presidente da IAAF, prometeu punir todos os envolvidos e proteger os atletas limpos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.