AFP
AFP

COI suspende ex-presidente da IAAF envolvido em escândalo de doping

Senegalês Lamine Diack está suspenso provisoriamente

EFE

10 Novembro 2015 | 17h26

O Comitê Olímpico Internacional (COI) decidiu atender ao pedido de sua Comissão de Ética nesta terça-feira e suspendeu provisoriamente o senegalês Lamine Diack, ex-presidente da Federação Internacional de Atletismo (IAAF), do posto de membro honorário da entidade.

Diack, de 82 anos, foi processado na França por corrupção, acusado de ter recebido dinheiro da Federação Russa de Atletismo para esconder testes positivos de doping, junto com seu conselheiro jurídico, Habib Cissé.

O COI afirmou que está "seguindo de perto a situação" e, além disso, disse que está aguardando as investigações que estão sendo realizadas pela Agência Mundial Antidoping (Wada) e a Comissão de Ética da IAAF sobre "as medidas necessárias que devem ser tomadas para proteger os atletas limpos".

O COI pediu à IAAF que "inicie procedimentos disciplinares contra todos os atletas, treinadores e dirigentes que participaram dos Jogos Olímpicos e estão sendo acusados de doping no relatório da comissão independente da Wada".

Com base na política de "tolerância zero" com o doping, assim que os procedimentos disciplinares forem completados, o COI disse que adotará as punições e medidas relativas à retirada ou redistribuição de medalhas conquistadas por envolvidos no escândalo.

A entidade máxima do esporte olímpico mundial analisou o trabalho do laboratório da Wada em Sochi durante os Jogos de Inverno de 2014, sobre mesmas as dúvidas levantadas pelo relatório da comissão independente divulgado ontem.

Após as análises do grupo de observadores independentes da Wada e de analistas internacionais, nas quais se indicava que não existiam anomalias nem foram encontradas irregularidades, o COI disse que "não há razão para questionar a credibilidade dos resultados dos exames de doping durante os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014".

No entanto, já que todas as amostras são guardadas por dez anos, o COI pode determinar análises mais detalhadas nos casos que possam surgir dúvidas, com novas técnicas científicas disponíveis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.