COLUNA-Sem desculpas. Abstrair expectativa é o segredo

Qual a diferença entre a glória damedalha de ouro e a decepção de um sexto lugar? Entre treinos ecompetições preparatórias, pode ser a capacidade de abstrair oque o resto do mundo fala sobre você. Esse parece ser o segredo do multicampeão e herói olímpicoMichael Phelps, que conquistou oito medalhas de ouro nos Jogosde Pequim e tornou-se o detentor do maior número de títulos emuma só edição dos Jogos. As imagens dele sentado na cadeira da sala de espera antesde uma prova com o rosto abaixado e ouvindo hip hop e rap podeparecer frieza, mas é apenas um sinal de concentração. Durante toda a sua hercúlea campanha, ele não perdeu o focoe só pensava em dormir e comer entre uma ida e outra ao Cubod'Água. Missão cumprida, tudo que ele queria era abraçar a mãe. "Uma série de coisas faz dele o nadador que ele é, mas achoque é principalmente psicológico. Ele consegue relaxar e seconcentrar no que está fazendo quando está sob pressão e, naverdade, esse tipo de ambiente faz ele ter uma performancemelhor", contou o técnico do norte-americano, Bob Bowman. Em contrapartida, a ginástica brasileira explodia detensão, deixando-se influenciar pelo que vinha do Brasil. "Nossa, fico bem feliz que acabou, porque eu já estava como coração explodindo aqui, de nervoso, expectativa, não sóminha, de todo mundo. Você sofre não só com você, mas com osoutros também", resumiu Jade Barbosa. E as imagens de Diego Hypólito pedindo desculpas aostorcedores brasileiros depois de terminar em sexto no solodeixa isso claro. Bicampeão mundial e favorito ao ouro no solo, Diego entrouconfiante no tablado e iniciou uma série irretocável, mas umaqueda na conclusão custou a ele a prata e provavelmente o ouro. Ele saiu chocado com si mesmo, repetindo apenas "nãoacredito, não acredito". Sentir-se arrasado por perder umachance de medalha é natural, anormal seria o contrário. Mas perder também faz parte do esporte e superar umadecepção e conseguir voltar é o que faz de alguém um atletaolímpico. Diego tem capacidade, idade e todas as condições paraisso. É claro que havia expectativas. O Brasil não é como a Chinaou os Estados Unidos, que conquistam chuvas de medalhas a cadadia. Cada uma conquistada por um brasileiro é muito comemoradae chegar a uma Olimpíada carregando o título de campeão mundialaumenta essa expectativa. Mas, mais do que o salto, Diego errou ao pedir desculpas,deixando claro que deixou o fator pressão entrar no tablado comele. Saltos e piruetas ele pode treinar milhares de vezes. Criaruma nova série e voltar com chances de ouro também. Resta agoraele treinar o lado psicológico e aprender a lidar com asexpectativas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.