Jonne Roriz/Exemplus/COB
Jonne Roriz/Exemplus/COB

Com 15 medalhas, COB vê participação positiva nos Jogos da Juventude

País obtém na Argentina o mesmo número de pódios da edição olímpica de quatro anos atrás

Paulo Favero, enviado especial / Buenos Aires, O Estado de S.Paulo

19 Outubro 2018 | 05h05

O Brasil encerrou sua participação nos Jogos Olímpicos da Juventude com 15 medalhas, a mesma quantidade de pódios obtidos na edição anterior, em 2014. No último dia de disputa, a seleção masculina de futsal garantiu a medalha de ouro ao superar a Rússia por 4 a 1.

“Fechar com chave de ouro sempre é bom. Os Jogos Olímpicos foram difíceis, todos os treinadores falaram que o nível foi bastante elevado em comparação à edição de Nanquim. Fomos ao pódio em nove modalidades diferentes, o que mostra que temos uma diversidade grande. Das 15 medalhas obtidas, apenas duas foram com outros países”, disse Sebastian Pereira, chefe de missão do Time Brasil em Buenos Aires.

Com a medalha conquistada pelo futsal, o Time Brasil fechou a competição com 15 pódios. Foram duas medalhas de ouro, quatro de prata e nove de bronze, igualando em quantidade de medalhas a melhor campanha nacional na competição para atletas de 15 a 18 anos. Na primeira edição dos Jogos da Juventude, em Cingapura, em 2010, o Brasil conquistou sete medalhas (três de ouro, três de prata e uma de bronze).

Quatro anos depois, em 2014, em Nanquim, foram seis de ouro, sete de prata e uma de bronze. Os números são do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e incluem as disputas mistas com atletas de outros países. Para além do pódio, o COB leva em consideração também o comportamento dos atletas, o comprometimento e aprendizado de cada um. Ao contrário da Olimpíada adulta, nos Jogos da Juventude os competidores ficam o tempo todo na Vila Olímpica, até quem já não tem mais disputas pela frente. Essa vivência é importante para atletas que ainda estão em formação.

“O balanço é extremamente positivo, acho que saímos daqui felizes com a garotada e, principalmente, com a proposta que nós tivemos de trazê-los para vivenciar o que são os Jogos Olímpicos. Essa experiência aqui ajuda naquela decisão de saber se é isso que eles querem. Acho que saíram daqui com bons fluidos, uma boa experiência e um bom sentimento para seguir em suas carreiras com grandes possibilidades no futuro”, explicou Sebastian.

Ele estava no ginásio, assim como muitos atletas do Time Brasil, torcendo para a seleção de futsal. No final, a medalha de ouro foi bastante festejada. “Foi uma oportunidade muito grande para a gente, foi a primeira vez do futsal e vencer é uma sensação maravilhosa. Foi uma experiência maravilhosa, espero viver isso de novo. Tomara que o futsal entre no programa olímpico”, afirmou Breno, autor de um dos gols do Brasil.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.