Satiro Sodré/SSPress
Satiro Sodré/SSPress

Com 3º tempo do ano nos 100 metros peito, Felipe Lima faz índice

Nadador garantiu classificação para o Mundial de Kazan

Estadão Conteúdo

09 de abril de 2015 | 13h49

Felipe Lima, do Minas Tênis Clube, se tornou nesta quinta-feira pela manhã o 19.º atleta do Brasil a conquistar índice para o Mundial de Esportes Aquáticos de Kazan, que será realizado entre julho e agosto, na Rússia. O nadador garantiu classificação para a competição ao cravar o terceiro melhor tempo do ano dos 100 m peito do Troféu Maria Lenk, no Rio.

Lima marcou 59s78 nas eliminatórias desta prova e superou a marca exigida de 1min00s44 para poder competir nos 100m peito na Rússia. Até esta quinta-feira, Felipe França, com o tempo de 1min00s43, era o único brasileiro com tempo para esta disputa do Mundial, mas agora o seu xará passou a ostentar a principal marca do País para esta prova da competição.

"A expectativa era das melhores. Eu vinha fazendo uma temporada muito boa, desde fevereiro competindo bem, já nadando as minhas melhores marcas. Ano passado eu tive uma temporada meio conturbada, com mudança de clube, adaptação de treinamentos. Esse resultado veio pra glorificar, coroar a batalha diária pra chegar neste resultado", comemorou Lima, que superou a marca do sérvio Caba Siladji, que com 59s79 ostentava o terceiro melhor tempo do ano.

O nadador, por sinal, lembrou que irá defender na Rússia o bronze que conquistou em 2013 no Mundial de Barcelona nos 100m peito. "Tem gente ainda que tem chance, então é defender a minha colocação e depois que tiver tudo certo é voltar a treinar pro Mundial e pros Jogos Pan-Americanos. Eu tenho a terceira colocação do Mundial passado pra defender. É partir pra cima e nadar forte contra os grandes do mundo. Tem muitos nadadores jovens surgindo também. Primeiro quero garantir a minha vaga na final à noite e depois pensar no próximo passo. O primeiro passo foi dado", reforçou.

FEMININO

Já entre as mulheres, destaque para Joana Maranhão, que na manhã desta quinta-feira saiu na frente nas eliminatórias dos 200 m borboleta. Ela cravou o tempo de 2min14s49, um dia depois de ter conquistado índice para o Mundial na prova dos 400 m medley, assim como abriu o revezamento do Pinheiros que superou o recorde sul-americano do 4x200 m livre que durava desde os Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004.

Joanna, porém, evitou euforia por ter liderado mais esta eliminatória do Maria Lenk e lembrou que pretende nadar mais forte na final da prova, também marcada para esta quinta. "À tarde vai ser outra prova porque eu vou imprimir um ritmo mais forte e vou sair dela bem diferente do que estou agora. Nunca penso no índice que preciso fazer, penso mais na prova. Índice, medalha, final é o que está em jogo. E não posso pensar no que está em jogo, sem pensar no jogo, que é a prova. Então eu gosto mais de pensar naquilo que eu posso fazer, que eu posso controlar. Gosto demais de nadar e quando as coisas fluem tudo acontece. Adoro essa prova. Apesar de ter 27 anos eu não nado ela há tanto tempo assim, então tem uma margem de melhora grande", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.