Rafael Ribeiro|Divulgação
Rafael Ribeiro|Divulgação

Com estreia antes da abertura, Vadão espera estádio cheio para a seleção feminina

Equipe joga diante da China, dia 3, no Engenhão

Estadão Conteúdo

28 de julho de 2016 | 16h15

As jogadoras da seleção brasileira de futebol feminino serão as primeiras representantes do País a atuar na Olimpíada do Rio. Antes mesmo da cerimônia de abertura, marcada para o dia 5 de agosto, as mulheres entrarão em campo na quarta que vem, dia 3, quando estreiam diante da China, no Engenhão. Até por ser o primeiro time brasileiro a competir, o técnico Vadão acredita que todas as atenções estarão voltadas para a seleção e, assim, espera casa cheia na estreia.

"Estamos aquecidos. Chegamos domingo na Vila Olímpica, com bastante antecedência, e estamos treinando diariamente no CEFAN. Como vamos iniciar antes, acho que será uma boa oportunidade para a torcida comparecer em bom número ao Engenhão e nos ajudar neste início de caminhada olímpica", declarou ao site do Comitê Olímpico do Brasil (COB).

Vadão enalteceu as adversárias da estreia e admitiu que o Brasil não deverá ter vida fácil neste início de caminhada. Mas ressaltou que a Olimpíada será mais uma chance de chamar atenção para o futebol feminino e fazê-lo ganhar apoio da CBF e da torcida.

"Nós vamos jogar contra a China, que tem um futebol extremamente organizado e competitivo. Aqui no Brasil as pessoas acham que futebol feminino é um monte de gente correndo atrás da bola sem organização. Infelizmente, o esporte é pouco desenvolvido no nosso país", comentou.

Otimista, o treinador só reclamou do fato de não poder realizar sequer um treino no Engenhão antes da estreia, por ordem da organização. "Seria bom para as jogadoras identificarem o piso. Ver se o gramado está fofo ou se está duro para escolher a melhor chuteira na hora da partida. Mas a recomendação serve para todas as seleções."

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaVadãoBrasilOlimpíada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.