Rob Schumacher/ USA Today Sports
Rob Schumacher/ USA Today Sports

Com mudanças da IAAF, brasileiros obtêm índice para Jogos do Rio

Geisa Arcanjo e Keila Costa são beneficiadas e garantem vaga

Estadão Conteúdo

15 de dezembro de 2015 | 18h13

Com as mudanças aprovadas pela IAAF recentemente, mais brasileiros garantiram índice para representar o atletismo do País nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, no próximo ano. Entre eles estão Geisa Arcanjo e Keila Costa, favorecidas pelas alterações realizadas pelo Conselho da IAAF nos índices.

Geisa obteve o índice no arremesso de peso, prova na qual obteve o melhor resultado de um brasileiro no atletismo nos Jogos de Londres-2012, com o sétimo lugar. Agora ela poderá repetir a dose no Rio de Janeiro.

Keila Costa já tinha índice no salto em distância. Agora obteve também no salto triplo. ela foi medalha de bronze no salto em distância no Mundial de Doha-2010 e no triplo no Mundial Juvenil de Kingston-2002.

Na maratona, foram mais quatro índices, três no masculino e um no feminino: Giomar Pereira da Silva, Mateus Trindade e Fredison Costa; e Roselaine Benites. Com a atualização da IAAF, o Brasil conta com 10 maratonistas com índice no masculino para a Olimpíada. No feminino, são seis agora.

Como cada país pode participar somente com três atletas por prova, os classificados serão definidos por ordem de tempo. A exceção é Solonei Rocha da Silva, por ter o índice por ter ficado entre os 20 primeiros colocados no Mundial de Pequim. Restam assim duas vagas no masculino. Marilson dos Santos (com o tempo de 2h11min00s) e Paulo Roberto de Almeida (2h11min02s) lideram a lista.

No feminino, Adriana Aparecida da Silva está à frente das rivais, com o tempo de 2h35min28s. Marily dos Santos tem 2h37min25s e Rosângela Farias, 2h38min40s. O prazo final para a obtenção de índices na maratona é o dia 6 de maio.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismoIAAFCBAtíndices olímpicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.