Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Carl Court/ AFP
Carl Court/ AFP

Com novo problema no joelho, Roger Federer anuncia que não disputará a Olimpíada

Tenista suíço tem duas medalhas olímpicas conquistadas em Pequim (ouro) e Londres (prata)

Redação, Estadão Conteúdo

13 de julho de 2021 | 14h26

Um dos maiores astros do tênis e do esportes mundial, Roger Federer não vai participar dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020. Através de suas redes sociais, o tenista suíço informou nesta terça-feira diz ter sentido um novo problema no joelho durante a temporada na grama, que culminou com a eliminação nas quartas de final de Wimbledon, na semana passada, e lamentou não poder participar da competição no Japão, que terá início no próximo dia 23.

"Durante a temporada de grama, infelizmente eu tive um revés no meu joelho e por causa disso terei que desistir dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Estou muito desapontado, pois sempre foi uma honra e um dos pontos altos de minha carreira poder representar a Suíça", lamentou Federer, em uma postagem em sua conta oficial no Instagram.

"Eu já comecei minha recuperação e espero poder voltar a competir ainda neste verão (do hemisfério norte). Torço para que o time suíço tenha muita sorte e estarei torcendo de longe", complementou o veterano de 39 anos, atual número 9 do ranking da ATP, que passou por duas cirurgias no joelho na temporada passada.

Com a ausência de Federer, que buscaria em Tóquio a grande conquista que falta na carreira, o único do "Big 3" por enquanto confirmado nos Jogos Olímpicos é o sérvio Novak Djokovic, número 1 do mundo, que ainda assim tem dúvidas sobre a sua participação. O espanhol Rafael Nadal, medalha de ouro em Pequim-2008, anunciou logo após Roland Garros que não iria jogar nem Wimbledon e tampouco a Olimpíada.

Medalha de ouro nas duplas nos Jogos de Pequim, ao lado do compatriota Stan Wawrinka, Federer chegou perto do título olímpico quatro anos depois em Londres-2012, mas foi superado pelo britânico Andy Murray na final e acabou ficando com a prata.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.