Com protesto pacífico, tocha olímpica chega à Coréia do Norte

É o 1ª percurso da história na capital Pyongyang; manifestantes só mostraram bandeiras do país e da China

Efe,

27 de abril de 2008 | 23h41

A tocha olímpica iniciou seu desfile por Pyongyang, o primeiro da história realizado na capital da Coréia do Norte, rodeada de vários manifestantes chineses e norte-coreanos a favor da passagem da tocha, informou a agência Yonhap.   Veja também:  O trajeto completo do revezamento da tocha pelo mundo Chineses e sul-coreanos brigam na passagem da tocha por Seul   O símbolo olímpico saiu às 10 horas desta segunda-feira, 28, (22 horas de Brasília) da Torre do Ideário Juche, situada em frente à praça Kim Il Sung, no centro da capital Pyongyang.   Vários manifestantes com bandeiras da Coréia do Norte e da China participaram de maneira pacífica na cerimônia de abertura do percurso da tocha, em sua 18ª parada a caminho de Pequim, segundo a agência sul-coreana de notícias.   Ao contrário que em outras cidades como Paris, San Francisco, Nagano (Japão) e Seul, todos os manifestantes reunidos estavam a favor da passagem da tocha, não se contando com a presença de grupos defensores dos direitos humanos ou pró-tibetanos.   O primeiro revezador foi Pak Tu Ik, um ex-jogador norte-coreano de futebol de 71 anos que ajudou o time nacional a se classificar para as quartas-de-final no Campeonato Mundial de 1966, segundo a agência japonesa de notícias Kyodo.   Durante sua passagem pela capital norte-coreana, a tocha percorrerá 20 quilômetros e passará pelos principais monumentos da cidade, tais como o Arco do Triunfo ou a estátua de Chollima, até chegar por volta das 15 horas (3 horas de Brasília de segunda-feira) ao estádio de Kim Il Sung.   O percurso da tocha, que será completado com a participação de 80 revezadores norte-coreanos e chineses, foi adornado com cartazes laranjas e azuis de apoio aos Jogos Olímpicos de Pequim. Após completar seu percurso por Pyongyang, a chama olímpica viajará para o Vietnã, de onde será levada para Pequim através de Hong Kong e Macau.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.