Nicholas Kamm/AFP
Nicholas Kamm/AFP

Com vistas a sediar Olimpíada de 2024, EUA tentam tranquilizar COI sobre ações de Trump

Restrições à entrada de pessoas de diferentes nacionalidades preocupa entidade

Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S. Paulo

01 Fevereiro 2017 | 21h30

O Comitê Olímpico dos EUA tentou tranquilizar o COI sobre o impacto que as barreiras criadas pelo presidente Donald Trump poderiam ter para atletas muçulmanos. Em um raro comunicado, a entidade máxima do movimento olímpico confirmou que foi informada sobre a posição dos EUA e que “confia” que os atletas continuarão a poder entrar no país para competir e treinar.

Los Angeles é, ao lado de Paris, uma das favoritas para receber os Jogos de 2024. Mas o veto a pessoas de sete países adotado na semana passada por Trump gerou uma onda de críticas por parte de atletas. Um deles, o britânico nascido na Somália, Mo Farah, chegou a temer não poder visitar seus filhos nos EUA. Não por acaso, a candidatura francesa comemorou o caos criado pelas novas políticas migratórias dos americanos, na esperança de ver fortalecida sua campanha.

No entanto, o COI tentou acalmar o jogo. “O COI foi informado pelo Comitê Olímpico dos EUA sobre a promessa de cooperação que ela recebeu do governo dos EUA com relação ao acesso rápido aos Estados Unidos para atletas e dirigentes para participar de competições esportivas”, indicou a entidade em Lausanne.

Saudando a decisão, o COI ainda afirmou “confiar que competições internacionais nos EUA possam continuar a ocorrer, em linha com os valores olímpicos da amizade, excelência e respeito”. Em 2019, o Mundial de Atletismo está marcado para ocorrer em Oregon, terra da Nike.

A declaração do COI rompeu meses de recusa da entidade em comentar as eleições nos EUA, alegando que não teceria uma avaliação sobre política. Mas a candidatura de 2024 de Los Angeles foi considerada como uma das mais afetadas pela imagem negativa que, nos últimos dias, Trump vem criando.

Ainda assim, parte significativa dos recursos do COI vem dos direitos de transmissão pagos pela NBC, emissora que vem pressionando para que os Jogos voltem aos EUA, 30 anos depois de Atlanta.

Na última terça-feira, Los Angeles entregou ao COI todos seus documentos da candidatura. A sede dos Jogos de 2024 será anunciada em setembro. Além dos americanos e franceses, Budapeste também concorre. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.