Comissão de Atletas do COI: boicote a Pequim não tem sentido

O ex-atleta Serguei Bubka afirma que boicote apenas prejudica o esportista e pede 'paz para a tocha'

EFE

25 de abril de 2008 | 15h52

A Comissão de Atletas do Comitê Olímpico Internacional (COI), presidida pelo ucraniano Serguei Bubka, disse ser contra um boicote aos Jogos de Pequim. "Qualquer atitude para boicotar os Jogos de Pequim é inútil, sem sentido e só prejudica os esportistas. Deixem de maltratar a tocha e permitam que ela siga seu caminho em paz", comentou Bubka.Após a última reunião realizada na cidade de Lausanne, na Suíça, a Comissão de Atletas do atletas do COI realizou um comunicado reivindicando o direito dos desportistas a competir nos Jogos, independente de polêmicas políticas. "Isto mudaria a essência dos Jogos, que são uma competição entre atletas com espírito de respeito, amizade e fair play", comentou. "Estamos estimulados pelo fato de a maioria dos Governos e organizações do mundo reconhecerem a falta de utilidade do boicote, sem sentido e apenas prejudicial para os atletas. Os esportistas treinaram anos para os Jogos e não merecem ser carregados com assuntos geopolíticos", diz a nota.Os atletas destacam que a cerimônia de abertura dos Jogos representa "um momento de orgulho, que sempre permanecerá em sua memória"."Esportistas de 205 países diferentes participam dos Jogos, e é por isso que nosso evento tem de evitar uma politização. Se permitirmos que tantos conflitos no mundo sejam refletidos nos Jogos, mudaria a essência do que eles são", completou.O documento, assinado por nomes como Bubka, Frank Fredericks (Namíbia) e Hicham El Guerrouj (Marrocos), também pede respeito ao percurso da tocha olímpica. "O fogo não pertence a nenhum país, e simboliza os valores e sonhos dos atletas. O revezamento da tocha não teve a paz que merece. Estamos muito tristes por isso", disse a nota."Os protestos violentos durante a passagem do fogo são totalmente contrários ao que ele representa, que são os valores olímpicos e nada além disso", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.