Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Comitê 2016 mantém meta de despoluição da Baía de Guanabara

Objetivo é tratar 80% do volume de esgoto despejado na Baía. Segundo diretor de comunicação, não haverá risco para os atletas

RONALD LINCOLN JR., O Estado de S. Paulo

27 de janeiro de 2015 | 14h13

Quatro dias após o secretário estadual de Meio Ambiente do Rio, André Corrêa, declarar que “não vai acontecer” a meta de despoluição da Baía de Guanabara, o Comitê Rio 2016, responsável pela organização da Olimpíada, reafirmou nesta terça-feira a intenção de tratar 80% do esgoto despejado na Baía até o ano dos Jogos.

Ele informou ter recebido um e-mail de técnicos da Subsecretaria Adjunta de Gerenciamento de Projetos - EGP-Rio -, entidade ligada ao governo estadual, confirmando que o objetivo está mantido.

"Em 2007, 11% do esgoto era tratado. Hoje, alcançamos cerca de 50%. Continuamos trabalhando ao lado do governo. Está tudo andando no seu curso", assegurou Andrada. "Não há risco para os atletas."

Questionado sobre a possibilidade de troca do local de provas caso a despoluição da Baía não chegue a níveis adequados, ele afastou a alternativa. "Não existe plano B. O iatismo vai ocorrer na Baía de Guanabara. Não vai haver televisão boiando. Temos uma estrutura que não deixa o lixo chegar à Baía. Nenhum lixo vai interromper a regata."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.