Comitê afirma que Qingdao está 'praticamente' limpas de algas

Organizadores garantem que o problema não prejudicará a competição de vela, durante os Jogos Olímpicos

EFE

15 de julho de 2008 | 13h39

O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Pequim 2008 (Bocog, em inglês) anunciou nesta terça-feira, que as águas da cidade litorânea oriental de Qingdao, sede da competição de vela, estão "praticamente" limpas de algas. Segundo a agência oficial "Xinhua", os trabalhos dos mais de 130 mil soldados e voluntários que passaram semanas retirando mais de 50 toneladas de algas foram concluídos com sucesso e as plantas restantes "não prejudicarão a realização das provas". Na semana passada, a superfície coberta de algas foi reduzida para 0,67 quilômetros quadrados dos quase 50 quilômetros quadrados da instalação olímpica na qual competirão os velejadores, e a densidade da maré verde caiu de 32% para 1,32%. O presidente da Comissão de Coordenação do Comitê Olímpico Internacional (COI), Hein Verbruggen, expressou sua confiança de que os organizadores encontrariam uma solução para este problema e ao representado pelo ar altamente poluído da capital chinesa. Foram lançadas várias versões sobre a origem da praga, detectada no fim de 2007, mas a mais divulgada é a de que a poluição da região provocou a multiplicação das algas. A Administração Oceânica Estatal, o Governo provincial de Shandong, a cidade de Qingdao e as forças armadas locais instalaram imediatamente um quartel-general de emergência para lutar contra as algas, apesar de o Bocog ter se mostrado confiante em eliminá-las em meados de julho, o que parecem ter conseguido. Regatistas de 30 países treinam atualmente nas águas de Qingdao. Durante semanas, foram obrigados a lidar com este "inevitável desastre natural", como classificou Verbruggen. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.