Comitê cancela 2.500 bilhetes por prática de cambismo

Rio-2016 tenta coibir venda ilegal de ingressos

Marcio Dolzan, Rio de Janeiro, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2016 | 05h00

 Revender ingressos pelas redes sociais sem cobrança de ágio não chega a ser uma prática ilegal, mas pode trazer dissabores para quem for comprar. O Comitê Rio-2016 alerta que mais de 2.500 bilhetes já foram cancelados devido à prática de cambismo. O problema é que o comprador corre o risco de só descobrir isso quando chegar à arena olímpica e for barrado no controle de acesso.

O Rio-2016 esclarece que a revenda de ingressos fora do portal oficial da Olimpíada configura quebra de acordo. “Se ele estiver vendendo no valor de face, seria uma prática legal, porque ele não está cometendo o crime de cambismo. Porém, ele está quebrando as regras dos termos e condições de compra de ingresso. Ele não pode fazer esse tipo de anúncio”, explicou Donovan Ferreti, diretor de Ingressos do comitê.

O maior problema, contudo, é outro. “Há anúncios não só em Facebook, mas em sites como o Viagogo e Ticketbis (especializados em revenda de entradas), em que o ingresso já está cancelado”, comentou Ferreti. 

Isso acontece porque, sempre que o Rio-2016 identifica alguma irregularidade no uso dos ingressos, ele consegue cancelá-lo. Para isso, basta anular o código de barras do bilhete – cada um deles tem uma numeração única e permite um único acesso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.