Comitê Olímpico de Pequim nega mortes de operários

Porta-voz garante que texto de jornal inglês 'não corresponde à verdade', sobre mortes nas obras

Ansa

21 de janeiro de 2008 | 10h28

O Comitê Organizador das Olimpíadas de Pequim (Bocog) negou nesta segunda-feira a notícia publicada em um jornal britânico, segundo a qual dez operários teriam morrido durante a construção do "Ninho de Pássaro", o novo e futurístico estádio olímpico da capital."A afirmação do Sunday Times, segundo a qual dez operários morreram na construção do Estádio Nacional, não corresponde à verdade", disse o porta-voz do Bocog, Sun Weide."No momento, a construção procede de acordo com o programa". O jornal sustentou que as dez vítimas "são uma estimativa por baixo" e citou como fontes "testemunhas que trabalharam em diversos períodos" da construção do estádio, uma das 12 novas construções olímpicas que estão mudando o visual da capital chinesa.Outras onze construções já existentes foram reformadas, entre elas o histórico Estádio dos Trabalhadores no centro da cidade.Estima-se que cerca de 17 milhões de operários, em grande parte migrantes vindos das províncias mais pobres, trabalharam na construção ou na reforma de locais que irão hospedar as Olimpíadas.Dos mais de 17 milhões de habitantes da cidade de Pequim, de 3 a 4 milhões formam a chamada "população flutuante" de migrantes que residem temporariamente na capital.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.