Comitê olímpico iraquiano lamenta exclusão das Olimpíadas

Porta-voz do comitê olímpico iraquiano, Taha al-Janabi, diz que assunto deveria ter resolvido de forma amistosa

EFE,

24 de julho de 2008 | 15h54

O comitê olímpico iraquiano lamentou nesta quinta-feira a exclusão do país dos Jogos de Pequim, decisão tomada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) devido à contínua interferência do governo nos assuntos do conselho executivo.Veja também: COI exclui Iraque das Olimpíadas por interferências do governo"É um assunto que deveria ter sido resolvido amistosamente entre as instituições estatais e esportivas", comentou o porta-voz do comitê olímpico iraquiano, Taha al-Janabi, à rede de televisão catariana Al Jazira.Ainda segundo o porta-voz do comitê, a decisão do COI não beneficiará ninguém. "Os laços entre a organização esportiva internacional e a iraquiana deviam ser excelentes e baseadas no respeito mútuo, mas é uma pena que não seja assim", comentou.A reação do comitê ocorre horas depois do anúncio feito pelo comitê internacional. O Iraque enviaria uma delegação de sete esportistas, que competiriam nas modalidades de atletismo, judô, tiro com arco, remo e halterofilismo.A agência de notícias independente Aswat al-Iraq publicou nesta quinta o conteúdo da mensagem enviada pelas autoridades olímpicas ao ministro de Juventude e Esportes iraquiano, Yassin Mohammed Jaafar, para comunicá-lo da decisão."Apesar dos esforços conjuntos com o conselho olímpico asiático nos últimos meses para encontrar uma solução positiva, lamentamos informá-los de que a decisão adotada pelo Escritório Executiva do COI em 4 de junho foi confirmada oficialmente", diz na carta Pere Miró, diretor de relações da entidade com comitês nacionais."Os convites aos atletas iraquianos foram retirados e serão repassados a outros comitês olímpicos nacionais", diz a carta.Em 4 de junho, o COI anunciou a suspensão "provisória" do Iraque pelo mesmo motivo pelo qual decretou a punição definitiva.Segundo o COI, a dissolução do comitê olímpico iraquiano e de suas federações e a nomeação de um órgão interino presidido pelo ministro de Esportes é "uma clara ruptura" da autonomia do organismo olímpico nacional.O comitê olímpico do Iraque funcionava sem ter presidente, depois de Ahmed al-Hiyie al-Samarrai ter sido seqüestrado em 15 de julho de 2006, sem que se saiba qualquer coisa sobre seu paradeiro desde então.Sua eleição tinha normalizado os esportes olímpicos no Iraque, após outra suspensão decretada pelo COI em maio de 2003, ao ser comprovado que Odei Hussein, filho de Saddam e presidente da entidade, transformara algumas instalações da mesma em câmara de tortura para atletas dissidentes.O COI readmitiu os iraquianos em fevereiro de 2004, meses antes dos Jogos de Atenas. A seleção de futebol chegou a disputar a medalha de bronze no torneio masculino, mas perde para a Itália por 1 a 0.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.