Kai Pfaffenbach / Reuters
Kai Pfaffenbach / Reuters

Compositor de tema da abertura dos Jogos de Tóquio renuncia após relatos de bullying

Quando era estudante, músico japonês Keigo Oyamada fez pessoas com deficiência se exporem a situações degradantes

AFP, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2021 | 11h11

O músico japonês Keigo Oyamada, que compôs um dos temas da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio, que acontece na sexta-feira, apresentou sua renúncia nesta segunda por ter praticado "bullying" com pessoas com deficiência, quando era estudante.

"Apresentei minha demissão ao Comitê Organizador", disse ele em sua conta no Twitter. "Levei em consideração as observações e as opiniões das pessoas que se manifestaram (...) Apresento minhas sinceras desculpas", acrescentou. "Me dei conta, dolorosamente, que havia faltado com o respeito a muitas pessoas, ao aceitar a oferta de dar minha contribuição musical para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio-2020", completou. 

Desde a semana passada vieram à tona vários trechos de entrevistas concedidas por ele a revistas japonesas sobre música, nos anos 1990. Nelas, Oyamada admitiu, sem remorsos, que assediou colegas de classe com deficiência quando era jovem. E fez isso durante anos. 

Alguns de seus atos foram extremamente violentos. Ele teria, por exemplo, forçado suas vítimas a se masturbarem em público, ou a comerem seus excrementos. Durante o fim de semana, o músico pediu desculpas, mas sem abrir mão do cargo.

O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Tóquio-2020 considerou o caso "inapropriado". Em parte, no entanto, defendeu o artista, insistindo em que ele manifestou seu arrependimento e em seu "importante papel" na criação artística da cerimônia de abertura. 

O caso afeta ainda mais a imagem dos Jogos Olímpicos, que já são alvo da hostilidade da opinião pública japonesa, preocupada com o avanço da pandemia da covid-19

Em março deste ano, o diretor artístico das cerimônias de abertura e de encerramento dos Jogos Olímpicos, Hiroshi Sasaki, já havia renunciado por ter sugerido, internamente, disfarçar de porco a atriz e estrela japonesa das redes sociais Naomi Watanabe.

E, em fevereiro, o presidente do Comitê Organizador dos Jogos, o ex-primeiro-ministro japonês Yoshiro Mori, também teve de deixar o cargo por declarações sexistas que provocaram protestos ao redor do mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
Olimpíada 2020 Tóquio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.