Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Confederação Brasileira de Atletismo vê evolução em resultados

Brasileiros se classificaram para 8 finais, maior número das últimas três Olimpíadas

Gonçalo Junior e Nathalia Garcia, O Estado de S.Paulo

20 Agosto 2016 | 05h41

Mesmo com as provas em andamento, o atletismo brasileiro comemora o maior número de finais das últimas três Olimpíadas. Em oito modalidades diferentes, os atletas do País se classificaram para a fase decisiva. Em Londres-2012, foram cinco; em Pequim-2008, quatro.

“Nosso primeiro objetivo era conseguir o maior número de atletas e conseguimos. Foram 67. A segunda meta era aumentar o número de finais, o que também foi atingido. A avaliação já é bastante positiva. Tivemos uma clara evolução”, diz Antonio Carlos Nunes, superintendente de Alto Rendimento da Confederação Brasileira de Atletismo.

O carro-chefe da boa participação foi, obviamente, o salto com vara. Thiago Braz conquistou o ouro e ainda bateu o recorde olímpico com o salto de 6,03 m. Foi a primeira medalha do atletismo desde o salto à distância de Maurren Magi, em 2008. Entre homens, o primeiro ouro desde Joaquim Cruz, nos 800 m em 2004.

Arremessos. O arremesso de peso foi a grande surpresa. No feminino, Geisa Arcanjo repetiu o feito de Londres chegando à final e terminou em nono lugar. O masculino foi mais longe. Darlan Romani bateu duas vezes o recorde brasileiro e conquistou o 5.º lugar na classificação geral. O Brasil não tinha um atleta brasileiro na prova desde Berlim-1936, com Antônio Pereira Lira. Na decisão, Darlan atingiu 21,02 m já no primeiro arremesso. “Passar a barreira dos 21 m era um dos meus sonhos”, diz o catarinense de 21 anos.

O Brasil atingiu marca histórica também no arremesso de martelo. Desde Los Angeles- 1932, o Brasil não disputava a modalidade. Wagner Domingos, o Montanha, terminou a fase de classificação em nono entre os 32 participantes e garantiu presença entre os 12 atletas que brigam por medalha.

Embora seja disputada em prova única, a marcha atlética também teve bons resultados. O quarto lugar de Caio Bonfim nos 20 km e o sétimo de Erica Sena também são contabilizados como finais, de acordo com a confederação.

Completam a lista de finalistas dos Jogos do Rio Altobeli da Silva, que alcançou o décimo lugar nos 3.000 m com obstáculos com tempo de 8min26s30, sua melhor marca na temporada, e o revezamento 4 x 100 m masculino, que também fez o melhor tempo deste ano: 38s19.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.