Congressistas pedem a Bush que não vá à Pequim

Presidente norte-americano pretende assistir aos Jogos, apesar da pressão que sofre para aderir ao biocote

Agência Estado,

02 de abril de 2008 | 19h14

Quinze membros do congresso federal norte-americano pediram ao presidente George W. Bush para reconsiderar sua decisão de assistir aos Jogos Olímpicos de Pequim. Os 14 democratas e a republicana Dana Rohrabacher consideram a recente repressão aos protestos no Tibete, os estreitos vínculos do governo chinês com o Sudão, e a repressão aos defensores das liberdades religiosas e dos direitos humanos como motivos para que Bush não vá à Pequim. O presidente da França, Nicolas Sarkozy, também considera boicotar a Olimpíada por causa da repressão às manifestações no Tibete. Já a presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, disse em uma entrevista para a rede ABC que também pediu a Bush que considere a possibilidade de não participar da cerimônia de abertura dos Jogos, mas que não apoiaria um boicote por parte dos atletas.Em resposta ao pedido dos congressistas, a Casa Branca disse nesta quarta-feira que esse não seria o melhor caminho para tratar a crise do Tibete. Outros líderes políticos de países como Alemanha, Noruega, Austrália, Polônia, Estônia e República Checa também já se pronunciaram no sentido de boicotar a Olimpíada.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008TibeteChinaGeorge W. Bush

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.