Pascal Rossignol/Reuters
Pascal Rossignol/Reuters

Conheça as cinco cidades que concorrem à Olimpíada de 2024

Paris, Roma, Hamburgo, Budapeste e Los Angeles são candidatas

O Estado de S. Paulo

16 Setembro 2015 | 07h29

As candidatas a sediar os Jogos Olímpicos de 2024 foram anunciadas pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) nesta quarta-feira: Paris (França), Roma (Itália), Hamburgo (Alemanha), Budapeste (Hungria) e Los Angeles (Estados Unidos). A cidade vencedora será definida em setembro de 2017, durante sessão da entidade em Lima. Alguns concorrentes não formalizaram a candidatura e já ficaram pelo caminho, caso de Toronto (Canadá), Istambul (Turquia), Doha (Catar), São Petersburgo (Rússia) e Baku (Azerbaijão).

"Damos as boas-vindas a estas cinco incríveis e altamente qualificadas cidades candidatas", afirmou Thomas Bach, presidente do COI. Ao oficializar as candidatas, a entidade também anunciou que irá ajudar a cidade vencedora da corrida olímpica com uma quantia de US$ 1,7 bilhão (R$ 6,5 bilhões).

Conheça as cinco candidatas aos Jogos Olímpicos de 2024:

PARIS

Paris tenta levar os Jogos Olímpicos exatamente 100 anos depois da última vez que sediou o evento. A cidade francesa foi palco da Olimpíada em 1900 e 1924 e participou, sem sucesso, das eleições para as edições de 1992 (Barcelona), 2008 (Pequim) e 2012 (Londres). Dono de três ouros olímpicos na canoagem, o francês Tony Estanguet vai compartilhar com Bernard Lapasset a presidência da candidatura parisiense. O orçamento divulgado pela organização é de 6,2 bilhões de euros (cerca de R$ 27 bilhões na cotação atual). De acordo com o Comitê Olímpico Francês (CNOSF), a proposta do projeto é fazer um evento "viável e flexível" e usar como base a infraestrutura já existente - como o Stade de France e o complexo de tênis de Roland Garros. Um novo parque aquático e a Vila Olímpica são as construções previstas. 

ROMA

Depois de alegar problemas financeiros e abandonar a candidatura para a Olimpíada de 2020, Roma volta com força para as eleições dos Jogos de 2024. A cidade, que recebeu a edição de 1960, conta com apoio do primeiro-ministro italiano Matteo Renzi e pretende minimizar os danos de um recente escândalo de corrupção. O Comitê Olímpico Italiano (Coni) aposta na "beleza e cultura, mas sobretudo, o empenho da Itália na inovação e na sustentabilidade." A organização estuda a construção da Vila Olímpica na área de Tor Vergata, na periferia da cidade, e promete realizar a entrega das medalhas olímpicas dentro do Coliseu, cartão-postal italiano. Roma prevê um orçamento de 6 bilhões de euros(R$ 26 bilhões), sendo que 2 bilhões de euros (R$ 8,7 bilhões) seriam cobertos pelo Comitê Olímpico Internacional (COI).

HAMBURGO

Hamburgo sonha com os Jogos Olímpicos de 2024 na esperança de levar o evento de volta para a Alemanha pela primeira vez desde que Munique sediou o evento em 1972. A cidade ganhou a disputa interna com Berlim, que foi sede em 1936, e brigará com outras cidades ao redor do mundo. O Comitê Olímpico da Alemanha enfatiza o caráter "colorido e cada vez mais diversificado" na tentativa de conquistar a "família esportiva internacional". O prefeito Olaf Scholz acrescenta que a chegada de milhares de imigrantes é um sinal da reputação receptiva do país. A cidade alemã promove a ideia de uma Olimpíada de curtas distâncias. Segundo o presidente do Comitê Alfons Hörmann, 90% dos locais de competição estarão dentro de um raio de dez quilômetros da Vila Olímpica e o deslocamento levaria no máximo 30 minutos de carro. Hamburgo planeja construir um estádio olímpico para 70 mil pessoas em Grasbrookhafen e a Vila Olímpica ficaria em Elbinsel. O orçamento previsto é de 2 bilhões de euros (em torno de R$ 9 bilhões).

BUDAPESTE

Com a aprovação do programa de reformas "Agenda 2020", Budapeste vê sua candidatura aos Jogos Olímpicos de 2024 alinhada com as mudanças promovidas pelo Comitê Olímpico Internacional. "Nossa intenção de candidatura harmoniza com o conceito de Olimpíadas econômicas do COI", ressaltou um trecho da carta enviada pelo prefeito Mayor Istvan Tarlós e pelo presidente do Comitê Olímpico da Hungria (MOB), Zsolt Borkai. De acordo com um relatório do MOB, a organização da Olimpíada teria um custo de 2,48 bilhões de euros (R$ 10,83 bilhões). O prefeito acredita que um evento desse porte pode acelerar o desenvolvimento da cidade. No entanto, Budapeste está no centro de uma crise migratória na Europa e centenas de refugiados tem sido barrados.

LOS ANGELES

Sem apoio popular, Boston renunciou à candidatura aos Jogos Olímpicos de 2024 e cedeu lugar para Los Angeles. A cidade da Califórnia já recebeu a Olimpíada em outras duas oportunidades (1932 e 1984). Os Estados Unidos fracassaram nas duas últimas tentativas de receber o evento, com Nova York (2012) e Chicago (2016). "Capital ocidental dos Estados Unidos, capital norte da América Latina e capital oriental do Oceano Pacífico" são os slogans adotados para promover a cidade norte-americana. O orçamento inicial é de US$ 4,6 bilhões (cerca de R$ 18 bilhões) e 85% dos locais de competição serão próximos da Vila Olímpica. A projeto inclui evento de vôlei de praia em Santa Monica e ciclismo no Parque Griffith.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.