Divulgação
Divulgação

Contato próximo com campeões faz o esporte crescer

O Clube Paineiras já teve a experiência de ter uma delegação estrangeira em suas instalações e sabe o quanto isso é importante para o crescimento do esporte. Recentemente, a seleção japonesa de nado sincronizado usou a piscina do clube paulista antes do evento-teste no Rio, que valia como um Pré-Olímpico. E as atletas carimbaram a vaga para os Jogos do Rio.

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2016 | 07h00

O contato próximo com atletas de ponta será o principal legado que ficará nos clubes. “Durante 15 dias teremos muita troca de experiências entre a nossa equipe interna de pequenos atletas e técnicos com atletas olímpicos. Creio que este será o maior legado. Ter um clube inteiro envolvido, deixando ambas as delegações a vontade para a finalização dos treinamentos que antecedem o Rio 2016 nos enche de orgulho e, com certeza, estaremos torcendo pelo êxito de ambas as equipes”, explica Carlos Inglez, gerente-geral de esportes da Hebraica.

Por receber a China, uma das maiores potências esportivas da atualidade, o Pinheiros está vendo a presença dos chineses como uma oportunidade única de intercâmbio para os associados do clube e atletas. “Teremos cerca de 30 campeões olímpicos treinando aqui e os nossos associados poderão conviver com atletas de altíssimo nível que normalmente só são vistos pela televisão”, afirma Roberto Cappellano, presidente do Pinheiros.

Para promover a presença dos chineses em suas instalações, o Pinheiros vai desenvolver uma campanha entre os associados e atletas do clube, com o intuito de criar um corpo de voluntários que faça a recepção e auxilie a delegação chinesa durante sua estadia no Brasil. “A ideia é que a gente mostre um pouco de nosso país e de nossa cultura.”

Na última visita que os representantes do Comitê Olímpico Chinês fizeram ao clube, mês passado, os brasileiros mostraram um pouco das particularidades do Pinheiros, como o Centro de Memória Hans Nobiling. “Eles puderam conhecer um pouco mais da nossa história e tradição no esporte olímpico.”

Cappellano lembra que o clube vai aproveitar a delegação estrangeira para realizar, também, um importante intercâmbio, pois será possível observar a forma de treinamento de um país que é potência olímpica. Serão atletas de 14 modalidades no clube durante três semanas.

“Traremos mais um pouco do verdadeiro espírito olímpico para dentro do clube e da cidade de São Paulo. Realizaremos também encontros, palestras e outras atividades que promovam a integração entre todos. Além disso, é claro, todas as intervenções ficarão como legado em termos de estrutura para os frequentadores do Pinheiros”, disse o dirigente. A tendência é que mais delegações estrangeiras procurem clubes brasileiros, universidades e locais com boa estrutura para usar na preparação para os Jogos do Rio. Se para quem recebe é bom, pelo intercâmbio, para os atletas gringos também é de suma importância, pois é em solo brasileiro que começa a adaptação para a Olimpíada e para a grande festa de agosto.

“Os sócios se sentem extremamente prestigiados em saber que em seu clube estará instalada uma potência olímpica com atletas que ele, provavelmente, só veria pela televisão. Podemos dizer que todos ganham, pois as delegações parceiras também têm a chance de obter uma excelente experiência de familiarização com os espaços e ambientes que encontrarão em agosto”, conclui Cezar Roberto Leão Granieri, presidente do Sindicato dos Clubes do Estado de São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Jogos OlímpicosOlimpíadaRIo 2016

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.